Lusa

Covid-19. Líder do CDS desafia a Costa a fazer orçamento retificativo

Carlos Barroso

Francisco Rodrigues dos Santos chamou ao primeiro-ministro "purista das regras orçamentais".

O presidente do CDS-PP chamou ao primeiro-ministro "purista das regras orçamentais", e incitou António Costa a apresentar um Orçamento do Estado para 2021 retificativo, acolhendo os novos apoios sociais devido à pandemia de covid-19.

"Se, para António Costa, isto é um problema jurídico, então desafio-o a apresentar um orçamento retificativo na Assembleia da República que acomode esta ajuda a quem precisa", escreveu Francisco Rodrigues dos Santos numa página oficial de uma rede social na Internet.

Para o líder democrata-cristão, o chefe do Governo minoritário socialista, "em vez de encontrar uma solução política para atribuir os apoios sociais aprovados pelo parlamento, decidiu transformar-se num purista das regras orçamentais".

"Fosse dinheiro para enfiar na TAP ou no Novo Banco, e não haveria questão nenhuma", acrescentou.

GOVERNO ENVIA DIPLOMAS PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

António Costa anunciou quarta-feira o recurso ao Tribunal Constitucional para fiscalização sucessiva de três diplomas que alargam ajudas estatais a cidadãos no âmbito do combate à crise económica provocada pela epidemia da doença causada pelo novo coronavírus, inicialmente detetado na China.

O líder do executivo defende que as alterações a decretos-lei do Governo aprovada pelos deputados dos restantes partidos, que não o PS, violam a denominada "norma-travão" que impede o aumento de despesa ou baixa de receita prevista no Orçamento do Estado do ano corrente.

Em causa estão o alargamento do universo e o âmbito dos apoios sociais previstos para trabalhadores independentes, gerentes e empresários em nome individual, o aumento dos apoios para os pais em teletrabalho e extensão do âmbito das medidas excecionais para profissionais de saúde à recuperação dos cuidados primários e hospitalares não relacionados com covid-19.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros