Cultura

Primeira biografia ilustrada do guitarrista Zé Pedro editada este mês

Zé Pedro, guitarrista e fundador dos Xutos & Pontapés, morreu em novembro de 2017. Tinha 61 anos e sofria de doença prolongada.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Zé Pedro morreu a 30 de novembro de 2017 aos 61 anos.

A família, a paixão pela rádio, os ídolos e a fundação dos Xutos & Pontapés são recordados numa nova biografia sobre o guitarrista português Zé Pedro, ilustrada e pensada para públicos jovens, a editar este mês.

Quando passam dois anos sobre a morte do guitarrista, é lançado "Zé Pedro - Uma Biografia", escrito pelo jornalista André Rito e ilustrado por Pedro Lourenço e que se junta a outros títulos que a editora Suma de Letras tem publicado, como as recentes biografias ilustradas de Freddy Mercury, de Alfonso Casas, e de David Bowie, por María Hesse.

"Era uma pessoa atenta ao que se passava ao seu redor, atenta ao mundo e atenta aos outros. Este livro dá a conhecer algumas dessas histórias que não são tão conhecidas senão num círculo mais restrito de amigos. Histórias que certamente farão sorrir!", afirmou o músico Tó Trips no prefácio.

"Zé Pedro - Uma Biografia" está organizado de forma cronológica e dividido por capítulos temporais nos quais são destacados episódios relevantes do percurso pessoal, familiar e musical de José Pedro Reis, ou Zé Pedro, uma das figuras mais conhecidas do rock português.

André Rito recorreu a várias fontes de informação, nomeadamente notícias e entrevistas nos media portugueses, e as biografias "Não sou o único", que Helena Reis escreveu sobre o irmão, e "Conta-me histórias", sobre os Xutos & Pontapés e assinada por Ana Cristina Ferrão.

Foram recolhidos ainda depoimentos de pessoas que privaram com Zé Pedro e cujas histórias pontuam esta biografia, nomeadamente os músicos Kalu, Xana e Pedro Ayres Magalhães, o radialista Henrique Amaro e a jornalista Lia Pereira.

Profusamente ilustrado, o livro recorda vários episódios considerados marcantes no percurso de Zé Pedro, como a ida ao primeiro Cascais Jazz, em 1971, onde estiveram Miles Davis e Keith Jarrett, a viagem a um festival punk em França, os primeiros ensaios dos Xutos & Pontapés, a morte da mãe, a dependência das drogas e o transplante de fígado.

A biografia relata ainda o tempo em que Zé Pedro inaugurou, com Alex Cortez, o clube de rock Johnny Guitar, em Lisboa, numa altura em que os problemas financeiros quase arruinaram os Xutos & Pontapés.

André Rito incluiu ainda uma cronologia dos Xutos & Pontapés, para lembrar, por exemplo, que a banda rock abriu o concerto dos Rolling Stones em 2003 em Coimbra e foi condecorada em 2004 com a Ordem do Infante D. Henrique.Há ainda referências à admiração que Zé Pedro tinha por vários músicos, e os momentos em que os conheceu, nomeadamente os guitarristas Keith Richards e Jimmy Page.

A biografia termina com o autor a descrever o último concerto de Zé Pedro, já debilitado, quando os Xutos & Pontapés atuaram a 02 de novembro de 2017 no coliseu de Lisboa.

Zé Pedro morreu a 30 de novembro de 2017 aos 61 anos. Os Xutos & Pontapés decidiram manter a banda e estão a celebrar 40 anos de carreira.

A propósito desta data redonda, a banda rock edita hoje a dupla coletânea "40 anos a dar no duro", com outras tantas canções, e no final de outubro lançaram o primeiro volume da autobiografia "À Minha Maneira", feita de histórias contadas por todos músicos e compiladas pela jornalista Ana Ventura.

Lusa

  • O Milagre de Jesus
    25:48