Cultura

Pedro Barroso "tinha um lugar único na música portuguesa"

O músico e pintor Pedro Barroso morreu a 17 de março aos 69 anos, vítima de doença prolongada.

LUSA

Músico é recordado, entre outros, por Marcelo Rebelo de Sousa, Ferro Rodrigues e Simone de Oliveira.

Pedro Barroso descrevia-se como "homem de música e palavras". Despediu-se dos palcos em dezembro de 2019 com a celebração dos 50 anos de carreira. O artista morreu esta terça-feira aos 69 anos vítima de doença prolongada.

Deixou um álbum gravado, "Novembro", a editar "em breve". Fernando Matias já disse que está previsto o lançamento em abril deste ano.

Matias explicou que "o título 'Novembro' foi escolhido por ser o mês de aniversário do Pedro e porque foi em novembro que se terminaram as gravações deste projeto".

"Novembro" para Pedro Barroso foi a sua "despedida das canções".

Já vários recordaram "uma das vozes da canção de intervenção portuguesa e um dos trovadores do 25 de Abril", como descreveu Graça Fonseca, Ministra da Cultura.

Ministra da Cultura lembra "um dos trovadores de Abril"

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, lembrou o músico Pedro Barroso como "uma das vozes da canção de intervenção portuguesa e um dos trovadores do 25 de Abril".

Recorsa-o como "membro de uma geração única da música portuguesa, que transformou a canção em protesto, manifesto, pensamento e transformação social".

Relembra uma das letras de Pedro Barroso para falar daquilo que o artista ensinou:

"«A resistência de um povo também se cria a cantar», uma mensagem tão importante quando a escreveu como nos dias que vivemos, em que é preciso cantar e continuar a resistir."

Presidente da República lembra músico "ativo, interventivo e enérgico"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte de Pedro Barroso, recordando a carreira intensa do músico "ativo, interventivo e enérgico", um dos "baladeiros" antes dos 25 de Abril que se envolveu nos combates democráticos.

"Pedro Barroso lembrou o que hoje lembramos: a sua voz, o seu empenho, a sua `violentíssima ternura´ ", enaltece.

Numa nota publicada na página da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa apresentou as condolências à família do músico Pedro Barroso e recordou também a "carreira intensa" de Pedro Barroso, ao longo da qual "gravou dezenas de discos, com textos seus e de diversos poetas portugueses".

Para Ferro Rodrigues "uma das figuras mais importantes da música popular portuguesa"

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, também lamentou a morte do músico Pedro Barroso, de quem era amigo, e que recorda como "uma das figuras mais importantes da música popular portuguesa"

"Acabo de ser informado do falecimento de Pedro Barroso, autor, músico e intérprete que conhecia há mais de 50 anos e de quem tive a honra de ser amigo. Pedro Barroso foi, sem dúvida, uma das figuras mais importantes da música popular portuguesa", refere numa mensagem de pesar enviada à Lusa.

Ferro Rorigues deixa ainda uma palavra de agradecimento a Pedro Barroso "pela sua atividade enquanto músico de intervenção, e, bem assim, pela defesa intransigente dos direitos dos autores, é enorme a minha gratidão".

"Fez questão de se afirmar uma vez mais como Belenenses até ao fim"

O Belenenses também recordou Pedro Barroso, sócio e autor de um dos hinos do clube do Restelo.

Lamentou o falecimento do músico, apresentando as "sentidas condolências" e "um abraço de muita amizade" a familiares e amigos.

"Deixa-nos aos 69 anos um nome grande da cultura portuguesa, sócio 1.648 do clube e que, na Gala do Centenário do Belenenses, fez questão de se afirmar uma vez mais como Belenenses até ao fim", pode ler-se numa nota publicada no sítio oficial do clube.

"Muito atencioso e grato aos músicos com quem trabalhava", recorda João Chora

O fadista João Chora, um dos artistas que gravaram temas de Pedro Barroso, disse que o músico "marca a história da música portuguesa".

"Homem muito querido pelos ribatejanos, que deixa uma ternura imensa, como foi visível no concerto de dezembro dos seus 50 anos de carreira", disse.

Pedro Barroso é autor da letra e música do "Fado Ribatejo", gravado por João Chora em 1999, e que é o seu "cartão de visita", referiu o fadista. Recorda-o como "um homem muito atencioso, grato aos músicos com quem trabalhava", (...) "inteligente e solidário".

Simone de Oliveira relembra um músico "que este país, infelizmente, conheceu mal"

A cantora Simone de Oliveira conheceu e trabalhou com Pedro Barroso e disse à Lusa, emocionada, que a morte do músico é "um desgosto" para si."

"O Pedro foi um homem da palavra e da música que este país, infelizmente, conheceu mal", disse a cantora.

Recorda ainda "excecionalidade do trabalho" do cantor e compositor.

"Convivi com ele, estivemos para fazer um projeto juntos que fomos adiando devido às nossas vidas".

"Tinha um lugar único na música portuguesa, que ficará para sempre"

O último álbum gravado por Pedro Barroso está previsto sair em abril, disse à agência Lusa o seu editor discográfico Fernando Matias.

Refere-se à obra deixada por Pedro Barroso como "única", no esteio das de Vinicius de Moraes e Leo Ferré. Acrescentou ainda que o músico deixa "muitos admiradores fiéis, que falam por essa carreira feita".

"Ele tinha um lugar único na música portuguesa, que ficará para sempre."