Cultura

Precariedade na Cultura "mais visível" mas sem solução "em dois meses"

Ministra da Cultura enfrentou várias manifestações em Évora.

A ministra da Cultura disse este sábado que a precariedade dos profissionais do setor ficou "mais visível" com a covid-19, mas o Governo não pode "resolver em dois meses o que não foi resolvido em 20 anos".

"Todos nós estamos a viver uma situação" para a qual "nenhum de nós estava preparado. Não vale a pena dizer o contrário", afirmou a ministra Graça Fonseca, aludindo à pandemia do novo coronavírus (SAR-CoV-2) e aos respetivos constrangimentos que tem provocado.

Em Évora, onde visitou as obras do centenário Teatro Garcia de Resende, Graça Fonseca foi confrontada, à entrada e à saída, com uma manifestação de mais de 100 profissionais de várias áreas artísticas da cidade alentejana.

Em declarações aos jornalistas, no interior do teatro, a governante reconheceu que a situação decorrente da doença provocada pelo SARS-CoV-2 evidencia a precariedade do setor cultural.