Cultura

Sessão de cinema: “The B-Side”

Elsa Dorfman filmada por Errol Morris, ou o fascínio da fotografia e dos retratos

João Lopes

João Lopes

Crítico de Cinema

Falecida há poucas semanas, a americana Elsa Dorfman foi uma brilhante especialista de retratos Polaroid em formato gigante. Sobre ela, em 2016, Errol Morris realizou um documentário que recorda, em particular, as suas relações com os artistas da Geração Beat

A notícia do falecimento de Elsa Dorfman foi divulgada no dia 30 de maio — a fotógrafa americana contava 83 anos. As suas imagens voltaram a surgir nos media e creio que muitos leitores ou espectadores que não conheciam o seu nome, mesmo assim, reconheceram algumas dessas imagens. Isto porque Dorfman legou-nos um imenso portfolio de célebres retratos, incluindo vários do poeta Allen Ginsberg (1926-1997), figura lendária da Geração Beat.

Em 2016, o “oscarizado” Errol Morris, por certo um dos mais notáveis documentaristas do último meio século, realizou “The B-Side”, filme-entrevista com Dorfman cujo subtítulo é, justamente, “A fotografia de retratos de Elsa Dorfman”. O título, vale a pena sublinhar, está recheado de ironia. De facto, como ela própria refere, há sempre duas variantes dos seus retratos, A e B; o retratado escolhe a sua preferida, a maior parte das vezes a A, pelo que a B fica nos arquivos da fotógrafa — ora, acrescenta Dorfman com alguma malícia, a versão B parece-lhe sempre melhor…

Poderá perguntar-se? Com a evolução da fotografia para os suportes digitais, que levava Dorfman a fazer apenas duas versões dos seus retratos? Acontece que, a partir de certa altura, ela trabalhou apenas com os formatos gigantes da Polaroid, em polegadas 20x24 (cerca de 50x60 cm) ou 23x36 (58x91 cm), não apenas muito dispendiosos, mas também raros: em todo o mundo apenas existem oito câmaras capazes de os executar.

O filme é tanto mais envolvente, por vezes transportando delicadas emoções, quanto Morris está longe de fazer uma banal entrevista “biográfica”. Para lá da riqueza dos materiais de arquivos mostrados, assistimos a uma verdadeira conversa de dois criadores. Resistindo a qualquer abstracção “teórica”, Dorfman evoca mesmo o seu historial, cruzando as grandes opções de vida com os episódios mais insólitos, por vezes recheados de contagiante humor — “The B-Side” é, neste momento, uma das pérolas “esquecidas” das plataformas de streaming.

Netflix