Cultura

As Dixie Chicks são, a partir de agora, apenas Chicks

D.R. Facebook Chicks

Iryna Shev

Iryna Shev

Jornalista

Depois de 31 anos de banda, o trio de música country alterou o nome por causa das associações racistas.

A palavra "dixie" é usada, nos Estados Unidos, como alcunha para os estados do sul do país, isto é, aqueles que faziam parte do Exército Confederado, durante a Guerra Civil.

Esses estados entraram em conflito com o resto do país por defenderem, entre outras coisas, a continuação da escravatura.

Tendo em conta que o país atravessa uma fase acesa de luta pela igualdade de direitos de todos os seus cidadãos, o trio de música country Dixie Chicks decidiu "deixar cair" a primeira parte do seu nome.

No site da banda, escreveram que "querem estar de acordo com este momento", referindo-se às manifestações dos movimentos Black Lives Metter, que se seguiram ao homicídio de George Floyd.

O grupo, que existe desde 1989, sempre foi um dos mais "rebeldes" dentro do conservadorismo das bandas de música country. Chegaram, inclusive, a levantar a voz na altura da invasão do Iraque, pelo presidente George W. Bush.

O trio, composto por Martie Maguire, Natalie Maines e Emily Strayer, escolheu o nome inicial, segundo a publicação EW, por causa da canção "Dixie Chicken", de Little Feat.

A par da mudança do nome, as Chicks lançaram o tema "March March", ilustrado com imagens de várias marchas pela igualdade racial, de género ou LGBTQ+.