Cultura

Morricone fez um filme com os temas que compôs

Graça Costa Pereira

Graça Costa Pereira

Editora de Cultura SIC

Tiago Romão

Tiago Romão

Editor de Imagem

Ennio Morricone morreu em Roma, aos 91 anos. O maestro e compositor italiano deixa um legado único na música e no cinema.

No ano passado, Ennio Morricone esteve em Lisboa para celebrar, em palco, 60 anos de carreira. O concerto fez parte da digressão que Morricone sabia ser de despedida.

Ennio Morricone morreu esta segunda-feira, aos 91 anos, em Roma, cidade onde nasceu. Estava hospitalizado depois de ter sofrido uma queda.

Foram mais de 500, as obras que compôs para cinema e televisão. Da carreira de seis décadas fazem também parte as composições clássicas: cerca de uma centena.

E apesar do estatuto em Hollywood, o Óscar tardou em chegar. Só à sexta nomeação, e já com 87 anos, é que Morricone conseguiu a estatueta dourada. Foi pela banda sonora do filme de Quentin Tarantino "Os Oito Odiados". Antes disso, a Academia tinha-lhe atribuído um outro Óscar, honorário.

Na memória de muitos ficam as bandas sonoras de filmes como Cinema Paraíso, ou dos Westerns de Sergio Leone, como "O Bom, o Mau e o Vilão" e "Aconteceu no Oeste".

Há um ano, Ennio Morricone foi aplaudido pelo público português na Altice Arena. Morricone despediu-se dos palcos com uma digressão onde foram interpretados temas da história do cinema. E Lisboa foi um dos pontos de passagem da digressão.