Cultura

Morreu a atriz Fernanda Lapa

Tinha 77 anos.

A atriz Fernanda Lapa morreu hoje, aos 77 anos, em Cascais, onde estava hospitalizada, anunciou esta quinta-feira em comunicado a Escola de Mulheres, companhia que dirigiu desde a sua fundação, em 1995.

"É com profundo pesar e imensa tristeza que a Escola de Mulheres comunica a morte de Fernanda Lapa, diretora artística desta companhia desde a sua fundação, em 1995", pode ler-se no comunicado.

Várias vezes premiada, Fernanda Lapa coordenou as comemorações do centenário de Bernardo Santareno, que se assinala este ano, de quem a Escola de Mulheres vai levar ao palco, em novembro, a obra "O Punho", com versão cénica da atriz e encenadora

A irmã da atriz já reagiu à morte de Fernanda Lapa na rede social Facebook.

"A minha mana, Fernanda Lapa, procurou outros lugares, morreu, talvez nos encontraremos".

"Sem Flores Nem Coroas", uma das últimas encenações de Fernanda Lapa

"Sem Flores Nem Coroas" é uma das últimas encenações de Fernanda Lapa. Uma homenagem ao amigo, o escritor Orlando Costa, que morreu em 2006.

Entrevista da atriz

Há dois meses, a atriz e encenadora Fernanda Lapa, deu uma entrevista ao Expresso, no podcast “A Beleza das Pequenas Coisas”, onde se mostrava entusiasmada com a reabertura das portas do seu teatro - a Escola de Mulheres - apesar do futuro incerto do setor das artes, devido à pandemia.

“Tenho tido desgostos profundos, mas sou uma privilegiada apesar de tudo”.

Biografia

Fernanda Lapa soube, "desde cedo", que o "Teatro seria a sua vida".

Autora da mensagem do Dia Mundial do Teatro deste ano, a convite da Sociedade Portuguesa de Autores, Lapa defendeu que se exija um plano de desenvolvimento teatral com futuro e que se aposte na força do teatro para as transformações que a atualidade exige.

"Viva o teatro, os seus agentes e o seu público", escreveu a atriz, encenadora e diretora da Escola de Mulheres, num texto em que explicava por que motivo se escolhe ser dramaturgo.

"Esta opção traz implícitas muitas consequências e uma delas é que o homem de teatro necessita do público de uma maneira carnal, pois o teatro é, em si mesmo, a expressão artística mais carnal de todas, uma expressão em que o verbo ou a sugestão ou a situação emocional elaborada pelo autor, tem de ser encarnada por um ator, que cada vez que a peça está no palco a diz ao vivo para um público vivo", sustentava.

A fundação da Escola de Mulheres surgiu, em 1995, para "romper com o estado de coisas a que estavam remetidas as mulheres no teatro português".

"Ao longo dos séculos, a voz das Mulheres foi silenciada em várias áreas, e também na Cultura, e não vale a pena escamotear esta realidade. Sofremos, ainda, as sequelas dessas mordaças, embora muito se tenha avançado, a partir do 25 de Abril em Portugal, pela luta das forças progressistas, mas sobretudo das próprias Mulheres e das suas Organizações", afirmou.

Fernanda Lapa venceu o prémio Sete de Ouro para a melhor encenação em 1992 e Prémio da Crítica para a Encenação em 1992 com "Medeia é Bom Rapaz", tendo ainda recebido o prémio especial Procópio em 1999 e o Globo de Ouro para melhor espetáculo por "A Mais Velha Profissão", em 2005.

A atriz, que para além do teatro também trabalhou na televisão e no cinema, recebeu ainda a Medalha de Mérito Cultural em 2005.