Cultura

Covid-19: digressão de Nick Cave com passagem por Lisboa cancelada depois de adiada

O concerto de Nick Cave com os The Bad Seeds em Portugal esteve inicialmente previsto para abril de 2020.

Instagram

A digressão europeia de Nick Cave & The Bad Seeds, prevista para 2021 e que incluía passagem por Lisboa no dia 24 de maio, foi cancelada devido à situação pandémica que se vive, anunciaram hoje os promotores.

"Lamentamos muito anunciar que a digressão de Nick Cave & The Bad Seeds 2021, pela Europa e Reino Unido e Europa, não se poderá realizar devido à situação vivida com a covid-19", partilhou a promotora Everything Is New, na sua página de Facebook, replicando a mensagem divulgada pelas páginas do artista e da banda que o acompanha.

O concerto de Nick Cave com os The Bad Seeds em Portugal esteve inicialmente previsto para abril de 2020, mas com as primeiras restrições impostas para combater a pandemia, em 19 de março, foi anunciado o adiamento da digressão, tendo posteriormente sido fixada a data de 24 de maio de 2021 para o concerto em solo nacional.

Os bilhetes que já tinham sido adquiridos para o concerto inicial, na Altice Arena, mantiveram-se válidos para a nova data, mas agora terão de ser devolvidos contra reembolso no respetivo 'site' ou local de compra.

"A complexidade e a escala da digressão que planeamos, combinada com a contínua incerteza em torno da pandemia, significa que, apesar do trabalho árduo de todos os envolvidos, não conseguimos garantir que os espetáculos possam acontecer", acrescenta a nota.

Os promotores afirmam ainda estar a "trabalhar em planos alternativos para 2021 e 2022" e que darão conhecimento de qualquer nova atividade em direto.

Além de Lisboa, Nick Cave & The Bad Seeds deveriam atuar em cidades como Toulouse, Madrid, Barcelona, Amesterdão, Antuérpia, Londres, Copenhaga, Viena, Budapeste, entre muitas outras, antes de terminar a digressão na capital israelita de Telavive.

"Ghosteen" é o 17.º álbum de estúdio de Nick Cave com os Bad Seeds.

O filme de lançamento do disco, disponível nas plataformas digitais, foi produzido pelo Hingston Studio, e contou com o designer português Tiago Higgs, na equipa de realização. Dirigido por Tom Hingston, o filme tem animação e efeitos visuais de Yusuke Murakami, Markus Lehtonen, Aislinn Clifford e Amanda Tooke, além de Tiago Higgs.

As mais recentes atuações de Nick Cave, em Portugal, foram com The Bad Seeds, no festival Primavera Sound, no Porto, em 2013 e em 2018.

No verão de 2011, apresentou-se no festival Alive, com o projeto Grinderman.

Em abril de 2008, também com os Bad Seeds, atuou nos coliseus de Lisboa e do Porto, em vésperas do lançamento do álbum "Dig, Lazarus, Dig".

Até hoje, foram estes dois coliseus que mais vezes receberam o músico australiano, em Portugal.

Nick Cave and The Bad Seeds atuaram nas duas salas em 1992, onde regressaram dois anos mais tarde, em 1994, quando Lisboa era Capital Europeia da Cultura.

Em 2004, Nick Cave voltou à capital portuguesa, para dois concertos em nome próprio, sem os Bad Seeds, mas com canções de "Nocturama", que esgotaram o grande auditório do Centro Cultural de Belém.

Em 2005, Nick Cave esteve no Festival Paredes de Coura, com a sua banda de sempre.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.529.324 mortos resultantes de mais de 66,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais regista-se no Reino Unido (61.014 mortos, mais de 1,7 milhões de casos), seguindo-se Itália (60.078 mortos, mais de 1,7 milhões de casos), França (55.155 mortos, mais de 2,2 milhões de casos) e Espanha (46.252 mortos, mais de 1,6 milhões de casos).

Em Portugal, morreram 4.963 pessoas dos 322.474 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão