Cultura

Festival de música portuguesa adaptado à pandemia esta semana em Lisboa

O evento vai decorrer na Altice Arena e inclui concertos e conferências.

A Altice Arena, em Lisboa, acolhe na quinta-feira e a na sexta-feira um festival de música portuguesa, que inclui concertos e conferências, adaptado à pandemia, com uso obrigatório de máscara, lugares sentados e muito álcool gel.

Ao longo dos dois dias, pelos três palcos do festival vão passar artistas e bandas como ProfJam e benjiprice, Capitão Fausto, B Fachada, Papillon, Chico da Tina, Afonso Cabral, Paulo Bragança, Amaura, Sreya e o espetáculo "Closer Integral" -- Joy Division 40 anos depois, que junta Flak, Alexandre Cortez, Luís San Payo, Filipe Valentim, João Peste e Nancy Knox.

O festival Rádio SBSR.FM Em Sintonia -- Sintoniza-te na Música Nacional surgiu, como explicou a promotora Música no Coração em setembro, "como resposta à impossibilidade de realizar este ano o [festival] Super Bock em Stock, no contexto atual da pandemia da covid-19 e respetivas restrições, tanto de circulação de artistas internacionais, como da lotação das salas de espetáculos, largamente reduzida, nomeadamente daquelas em que a Música no Coração tem vindo a organizar anualmente o festival na Avenida da Liberdade, em Lisboa".

Em declarações à Lusa esta semana, o promotor Luís Montez acrescentou uma outra razão: "era quase uma obrigação da Música no Coração ajudar a nova música portuguesa".

"Porque se os artistas consagrados estão a passar dificuldade, imaginem os emergentes, os novos, e muitos deles com trabalhos acabados de sair que ainda não tiveram oportunidade de mostrar ao vivo", afirmou.

Assegurada está "a questão do afastamento". "A Altice Arena tem uma capacidade para 20 mil lugares e nós vamos trabalhar para cinco mil , um quarto da capacidade", disse Montez.

Além disso, há a "obrigatoriedade de usar máscara" e a disponibilização de álcool gel, "não só às entradas e às saídas, como através dos mochileiros, que nos outros festivais distribuem cerveja e aqui será álcool gel, gratuitamente, para quem precisar".

Os palcos estarão situados em três salas diferentes -- Arena, Sala Tejo e Sala Fernando Pessa - e o público poderá circular entre eles.

"Há vários corredores, que na Altice Arena são muito largos, que só vão ter um sentido. As pessoas entram por um lado e saem pelo outro, nunca há cruzamento", explicou Luís Montez.

Na Arena, o espaço principal, os lugares estão marcados e numerados, "as pessoas têm sempre o seu lugar".

No caso de algum dos outros palcos estar cheio, os espectadores serão informados "através dos elementos da segurança e dos assistentes, porque haverá assistentes para levarem as pessoas aos lugares".

Nas salas mais pequenas, "sempre que alguém sai, o lugar onde estava sentado é desinfetado".

Mas garantir o cumprimento das regras não foi o mais difícil na organização de um festival em tempos de pandemia: "Aqui o complicado é que anunciámos em setembro [o festival] e soubemos na semana passada as regras do Estado de Emergência. Tivemos que alterar o sábado para quinta-feira. Infelizmente para os artistas a disponibilidade é total, não foi difícil passar, porque infelizmente não têm muito trabalho".

Além dos concertos, o festival Rádio SBSR.FM Em Sintonia inclui um ciclo de conferências, subordinado ao tema "A Indústria da Música no Contexto Atual".

No total, serão seis conferências, três em cada dia do festival, que decorrerão entre as 15:00 e as 17:15 e terão transmissão nas contas do Super Bock Super Rock no Youtube e Facebook, no 'site' oficial do festival e no Facebook MOCHE.

Pode assistir às conferências quem tem bilhete para o festival, mediante inscrição prévia.

Os concertos têm início às 17:15.

Durante o festival, será feita no local uma recolha de alimentos não perecíveis para a União Audiovisual, grupo informal criado em contexto de pandemia para ajudar trabalhadores do setor da Cultura.

O bilhete único para os dois dias do festival Rádio SBSR.FM Em Sintonia tem um custo de 30 euros, que nos dias do festival, quinta-feira e sexta-feira aumenta para 35 euros.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia