Cultura

John le Carré, o espião que se tornou escritor

Escritor britânico John le Carré morreu aos 89 anos, vítima de uma pneumonia.

O escritor britânico John le Carré, um dos autores mais proeminente de ficção de espionagem em inglês, morreu, aos 89 anos, informou no domingo o seu agente.

John le Carré trabalhou como espião antes de passar a escrever novelas que fizeram brilhar um género anteriormente ignorado pela crítica literária.

Antes de se tornar escritor, trabalhou para os serviços de inteligência britânicos, levando a sua experiência pessoal para a ficção em obras como "Chamada para a Morte", "A Rapariga do Tambor", "O Fiel Jardineiro", "Guerra de Espelhos", "A Toupeira" ou "O Espião que Saiu do Frio" -- um dos mais conhecidos - de um total de 25 obras publicadas em Portugal desde os anos 1960 por várias editoras.

Com uma prosa lírica e concisa, Le Carré conseguiu fundir a complexidade da espionagem na ficção literária, reunindo os ingredientes da traição, o compromisso moral e o preço a pagar por uma vida secreta, que captavam o interesse dos leitores.

Muitos dos seus livros foram adaptados para o cinema ou a televisão, nomeadamente "A Gente de Smiley" e "A Toupeira", com Alec Guiness no papel de agende Smiley.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia