Cultura

A mensagem oculta que Edvard Munch deixou em "O Grito"

Mike Segar

Era um dos mistérios mais duradouros da arte moderna.

A mensagem, quase invisível deixada no canto superior esquerdo da pintura, foi objeto de debate durante décadas e chegou a ser considerada um ato de vandalismo por parte de um visitante.

Uma investigação levada a cabo pelo Museu Nacional da Noruega revela que foi mesmo Munch que escreveu a frase, segundo a CNN. "Pintado por um louco" foi essa a mensagem deixada.

"A escrita é, sem dúvida, do próprio Munch", concluiu Mai Britt Guleng, curadora do museu. "A própria caligrafia, assim como os acontecimentos ocorridos em 1895, quando Munch expôs a pintura na Noruega pela primeira vez, apontam todos na mesma direção."

Foi usada uma tecnologia de infravermelhos para analisar a mensagem e compararam-na com a de notas e cartas de Munch.

"O Grito" é uma das obras mais célebres dos tempos modernos, conhecida como uma representação atemporal da ansiedade humana.

Quando foi pela primeira vez revelada ao público, críticos rejeitaram a pintura enervante e houve uma discussão frenética sobre o estado mental de Munch, conta a CNN.

Apesar da polémica que envolveu a obra, e que acabou por dar crédito à ideia de que alguém teria escrito "pintado por um louco" no quadro, os especialistas em arte explicam que provavelmente foi a reação às críticas que levou Munch a escrevê-lo.

"É provável que Munch tenha acrescentado a frase em 1895, ou pouco depois em resposta ao julgamento de que a obra foi alvo", explicou o museu à CNN.

  • Mussolini: o pai dos populistas

    Extremos

    Antonio Scurati descreve Mussolini como "o primeiro líder populista da História". O líder fascista "é sem dúvida um ditador, mas foi também o ideólogo da tipologia de liderança populista que ainda hoje domina a cena política", conta o professor e investigador italiano à equipa Extremos

    Maria Rodrigues e Rita Murtinho