Cultura

Investigadora diz que "Os Maias" transmite a ideia que a colonização foi "necessária e benéfica"

Mostra comemorativa dos 130 anos da publicação "d’Os Maias. Episódios da Vida Romântica", obra-prima de Eça de Queirós, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, em 2018.

Inácio Rosa

Investigadora Vanusa Vera-Cruz Lima apresenta várias citações do romance.

Uma análise racial ao livro "Os Maias", de Eça de Queirós, realizada por uma investigadora numa universidade norte-americana, concluiu que a mensagem sobre o colonialismo que os alunos recebem quando o leem é que "a colonização foi necessária e benéfica".

Vanusa Vera-Cruz Lima, investigadora cabo-verdiana na Universidade de Massachusetts Dartmouth, nos Estados Unidos, onde está a tirar o doutoramento em estudos luso-afro-brasileiros, disse à agência Lusa que esta obra, publicada em 1888, "transmite uma imagem de África como sendo uma terra de 'selvagens' e 'incivilizados', que resulta na justificação da exploração portuguesa neste continente".

Na sua análise racial a uma das obras mais conhecidas de Eça de Queirós, autor de leitura obrigatória na disciplina de Português no ensino secundário, Vanusa Vera-Cruz Lima apresenta várias citações do romance que "evidenciam o processo de colonização" como tendo sido "necessário para a 'salvação' das pessoas que viviam nas terras africanas".

Para Ega, uma personagem com relevância neste romance, que relata a história de uma família ao longo de três gerações, em finais do século XIX, "a colonização tinha um outro 'sabor', porque transformaria os negros em pessoas 'civilizadas' e, com isso, não haveria nada de pitoresco que chamasse a atenção aos turistas", refere a autora da tese de doutoramento, para a qual fez esta análise racial, citando uma passagem da obra.

É também desta personagem a passagem: "Porque não se deixaria o preto sossegado, na calma posse dos seus manipansos? Que mal fazia à ordem das coisas que houvesse selvagens? Pelo contrário, davam ao Universo uma deliciosa quantidade de pitoresco".

A investigadora sublinha que "o romance, e não necessariamente o autor, passa uma mensagem de que a colonização em África trouxe 'salvação'".

E escolheu outra citação do capítulo V da obra: "Mas eu lhe digo, meu querido Ega, nas colónias todas as coisas belas, todas as coisas grandes estão feitas. Libertaram-se já os escravos; deu-se-lhes já uma suficiente da moral cristã; organizaram-se já os serviços aduaneiros... Enfim o melhor está feito. Em todo o caso há ainda detalhes interessantes a terminar... Por exemplo, em Luanda... Menciono isto apenas como um pormenor, um retoque mais de progresso a dar. Em Luanda, precisava-se bem de um teatro normal, como elemento civilizador!".

Vanusa Vera-Cruz Lima afirma que o propósito da sua análise é contribuir para "se repensar a forma como a obra é ensinada nas escolas, contribuindo para uma reflexão e expansão racial".

"Não vejo o cancelamento de sua leitura como uma solução"

Garante a investigadora que não defende, com esta avaliação, ao fim da sua leitura no ensino português.

"Pelo contrário, este romance é uma ferramenta ideal para criar oportunidades de ensino e instrução culturalmente responsáveis, para que possamos atender às necessidades de todos os alunos", disse.

E concluiu: "É um material para explorarmos valores e comportamentos relacionados com a raça que existiam na época, mas que continuam a se manifestar em vários aspetos da sociedade atual".

"Não vejo o cancelamento de sua leitura como uma solução", frisou.

De origem cabo-verdiana, Vanusa Vera-Cruz Lima é licenciada em Relações Internacionais (Universidade Cândido Mendes -- Rio de Janeiro) e mestre em linguística aplicada.

Leu "Os Maias" pela primeira vez durante o ensino secundário, em Cabo Verde, quando Eça de Queirós lhe foi apresentado como "um dos mais importantes escritores da literatura portuguesa". Voltou à obra no âmbito do programa do seu doutoramento.