Cultura

Sessão de Cinema: “Ana Karenina”

Opinião

Emerald Fennell (à direita na imagem) integra o elenco da versão de 2012 de "Ana Karenina"

A inglesa Emerald Fennell ganhou um Óscar (argumento original) pelo seu filme “Uma Miúda com Potencial”. “Ana Karenina” é um dos títulos da sua filmografia enquanto actriz.

Na madrugada de 25/26 de abril, quando vimos Emerald Fennell a receber o Óscar de melhor argumento original por “Uma Miúda com Potencial” (filme que também realizou), não pudemos deixar de perguntar qual a trajectória que cumpriu até chegar a tão importante distinção. Tínhamos, de qualquer modo, uma referência significativa: é ela que interpreta a personagem de Camilla Parker Bowles na série “The Crown”.

Seja como for, vale a pena lembrar que Fennell começou a sua carreira de actriz em 2006 (contava 21 anos), em televisão, tendo depois surgido em títulos muito variados, quer de produção televisiva, quer para os ecrãs das salas escuras. Um desses títulos, “Ana Karenina” (2012), pode ser visto ou revisto numa plataforma de streaming.

As personagens centrais, Ana, Karenin e Vronsky são interpretadas, respectivamente, por Keira Knightley, Jude Law e Aaron Taylor-Johnson, Emerald Fennell integra uma longa lista de secundários, interpretando a Princesa Merkalova.

Dirigida por Joe Wright, esta versão de “Ana Karenina” está longe de ser uma obra excepcional, francamente distante das qualidades de outras adaptações do romance de Leo Tolstoi, nomeadamente a que Greta Garbo protagonizou em 1935, sob a direcção de Clarence Brown. Seja como for, reflecte a sofisticação dos recursos dos estúdios britânicos, para mais apostando em criar um espectáculo que, para lá da dimensão romanesca, ambiciona existir como uma ponte artística entre drama teatral e teatro musical. E, como é habitual neste género de projectos, através de requintados valores de produção — o filme ganhou, aliás, o Óscar de melhor guarda-roupa referente a 2012.

Netflix