Cultura

Documentário sobre gravação do disco "Let it Be" dos Beatles estreia em novembro

Este último disco, de 1970, tem agora novas reedições.

Em novembro, estreia um documentário que acompanha o processo de gravação do disco "Let it Be", dos Beatles, último disco banda, de 1970, e que, atualmente, tem novas reedições.

"Let it Be" foi lançado em 1970 e o último disco dos Beatles ganha outro peso na história com as reedições especiais.

Há gravações nunca editadas, ensaios e improvisações de estúdio.

"Em todos os álbuns anteriores, a ideia era fazer um álbum. Com este, a ideia era fazer um concerto ao vivo e gravá-lo", partilha o produtor Giles Martin.

A atuação dos Beatles no Terraço da Apple surge agora em stereo, assim como outras gravações analógicas.

Este trabalho tem a mão de Giles Martin, que seguiu as pisadas do pai, George Martin, o produtor que foi considerado o quinto Beatle, mas no último disco, essa função coube a foi Phil Spector.

Nas novas reedições atualizadas, também há uma nova mistura de “Get Back”, feita pelo engenheiro de som Glyn John.

"Sempre se pensou, por aquilo que lemos, que todo o processo foi amargo, cheio de discussões, e na verdade não foi, houve diversão", acrescenta o produtor.

É esse ambiente descontraído que Peter Jackson quer transmitir.

O realizador de "Senhor dos Anéis" pegou em em imagens que ficaram guardadas por cinquenta anos e mostra "The Beatles: Get Back", o processo criativo da banda de Liverpool.

"Penso que todos irão gostar, porque a banda trabalhou muito para isto, e passou por altos e baixos a nível emocional para atingir tudo aquilo que conseguimos. Mas foi assim, quatro homens num estúdio", diz o ex-Beatle, Ringo Starr.

São 60 horas de filmagens reunidas num documentário dividido em três partes, com transmissão nos dias 25, 26 e 27 de novembro na plataforma de streaming da Disney.

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias