Cultura

Leonardo DiCaprio e a “maldição dos 25”: fim de namoro volta a dar que falar

Leonardo DiCaprio e a “maldição dos 25”: fim de namoro volta a dar que falar
VALERIE MACON
Será possível escolher, de forma calculada, as pessoas por quem nos apaixonamos?

Porque é que o Leonardo DiCaprio só namora com mulheres que tenham até 25 anos? A pergunta tem-se repetido nas redes sociais depois de, mais uma vez, o ator de 47 anos ter terminado um relacionamento pouco tempo depois da sua parceira celebrar o 25.º aniversário.

Após quatro anos de relacionamento, o ator separou-se da atriz Camila Morrone, que fez 25 anos a 16 de junho. Nas redes sociais multiplicam-se as brincadeiras e teorias sobre as possíveis razões que o norte-americano tem para deixar as namoradas.

Antes de Camila Morrone, DiCaprio namorou com a modelo Nina Adgal - tinha 24 anos quando terminaram - e com a atriz Kelly Rohrbach - tinha 25. Estes são só os exemplos mais recentes. Desde 1999, o ator teve oito relacionamentos e em nenhum deles a companheira ultrapassou os 25 anos de idade.

Porque é que isto acontece? O psicólogo Sebastián Girona, ouvido pelo jornal espanhol El Mundo, explica que poderá tratar-se de um medo do compromisso.

“Digamos que, por vezes e de forma inconsciente, a diferença geracional faz com que, no início, o casal possa resultar. Mas depois, quando começam a pensar no futuro, e estando em fases diferentes da vida, a relação começa a complicar-se. Ou, às vezes, escolhemos pessoas conscientes do fim do relacionamento”.

Mas essa poderá não ser a única razão, explica o psicólogo espanhol, acrescentando que outro dos motivos pode estar ligado à “passagem do tempo”.

“De certa forma, se me relaciono com pessoas mais novas que eu, obrigo-me a cuidar de mim. Isso pode manter-me jovem ou fazer-me acreditar na fantasia de que sou jovem”.

Mas será possível escolher, de forma tão calculada, as pessoas por quem nos apaixonamos? O psicólogo Sebastián Girona tem algumas dúvidas.

“Acredito que não escolhemos por quem nos apaixonamos. É mais instintivo, quem nos chama a atenção e quem não. Agora, da mesma forma que digo isto, também digo: podemos ter o objetivo de nos apaixonarmos por pessoas que não nos tragam complicações. Assim, acabo por me apaixonar por um grupo de pessoas que, de alguma maneira, seja mais ‘inofensivo’”, explica.

Últimas Notícias
Mais Vistos