Cultura

Memórias de um charme discreto

Bulle Ogier, Stéphane Audran e Delphine Seyrig, ou a burguesia segundo Luis Buñuel
Bulle Ogier, Stéphane Audran e Delphine Seyrig, ou a burguesia segundo Luis Buñuel

“O Charme Discreto da Burguesia”, de Luis Buñuel, tem no seu historial o Óscar de melhor filme estrangeiro — a estreia ocorreu há meio século.

Não é fácil transmitir aos espectadores mais jovens as memórias que os podem ajudar a conhecer, eventualmente compreender, os contextos mais distantes da vida dos filmes. Porquê? Não, por certo, por causa de limitações desses espectadores. Antes porque há toda uma ideologia “social” que, por vezes, tende a caracterizar os filmes “antigos” como pitorescos, mais ou menos caricaturais e, em última instância, descartáveis.

Eis um belo exemplo que nos pode ajudar a reflectir um pouco sobre essa questão. Até porque vem a propósito celebrar os seus gloriosos 50 anos: foi, de facto, por esta altura, em 1972, que surgiu “O Charme Discreto da Burguesia”, título que, para todos os efeitos, continua a ser um dos mais conhecidos do espanhol Luis Buñuel (1900-1983) — a estreia francesa ocorreu no dia 15 de setembro, tendo sido apresentado cerca de um mês mais tarde no Festival de Nova Iorque, aí começando o seu invulgar impacto nos EUA, onde acabou mesmo, em representação da França, por arrebatar o Óscar de melhor filme estrangeiro (actualmente melhor filme internacional).

Podemos recordar que se trata de uma deliciosa, elegante e sarcástica visão de uma classe social que Buñuel observa como uma comunidade iludida pelo seu próprio poder e, em última instância, desconhecedora do mundo em que vai explorando os privilégios desse poder (actualmente disponível na plataforma Filmin). Em qualquer caso, seria precipitado considerar Buñuel como um vulgar crítico da “sociedade”, inocentando umas personagens e demonizando outras…

Mais, muito mais do que isso (mesmo quando o faz através disso), Buñuel é um retratista dos sobressaltos oníricos — ou, se quisermos ser psicanalíticos, inconscientes — que pontuam o comportamento dos incautos humanos que somos. Tudo isto, importa não esquecer, servido por um elenco de excepção em que encontramos nomes como Fernando Rey, Delphine Seyrig, Bulle Ogier, Claude Piéplu, Stéphane Audran, Jean-Pierre Cassel e Michel Piccoli.

O filme corresponde ao primeiro capítulo da trilogia final do realizador, completada com “O Fantasma da Liberdade” (1974) e “Este Obscurso Objecto do Desejo” (1977). Ver ou rever “O Charme Discreto da Burguesia” será, assim, partilhar a inteligência, e também o contagiante humor, de um mestre absoluto da história dos filmes — 50 anos depois, Buñuel persiste como exemplarmente moderno.

Últimas Notícias
Mais Vistos