Desporto

Ex-diretor de laboratório antidoping diz que levantar suspensão à Rússia seria "um desastre"

Maxim Shemetov/ Reuters

O antigo diretor do laboratório de Moscovo que revelou a extensão do doping no desporto russo, Grigory Rodchenkov, advertiu esta quarta-feira a Agência Mundial Antidopagem (AMA) que o levantamento da suspensão à Rússia seria "um desastre".

Três anos após a revelação do escândalo da prática de doping generalizado na Rússia com a conivência do governo, a AMA decide na próxima quinta-feira se levanta as sanções aplicadas contra Moscovo e que levaram, por exemplo, à suspensão da federação de atletismo.

"A AMA não deve ser vítima de manipulações e deturpações do Ministério do Desporto, o mesmo que facilitou o programa de doping, ao mesmo tempo que garantia a conformidade com os regulamentos antidopagem", refere Grigory Rodchenkov, ao jornal USA Today.

A voz de Grigory Rodchenkov junta-se às posições assumidas por vários comités desportivos, agencias antidopagem e associações, principalmente dos Estados Unidos e da Europa Ocidental, que apelam à AMA para não negar o sistema de doping que prevaleceu no desporto russo de 2011 a 2015.

"Se a AMA ceder, será um desastre para o desporto limpo", refere Grigory Rodchenkov, que não acredita que a Rússia esteja a cumprir as exigências da Agência Mundial Antidopagem para a sua integração e que inclui o reconhecimento das conclusões do relatório McLaren.

O esquema, que consistia na manipulação das análises antidopagem, envolveu atletas de várias modalidades entre 2011 e 2015, incluindo, entre outras, atletismo, levantamento de peso, hóquei no gelo, futebol, biatlo, voleibol de praia, natação, esqui, patinagem e canoagem.

"Está claro que, dadas as circunstâncias que enfrentamos, qualquer decisão da AMA de reintegrar a Rússia seria um desastre para os ideais do desporto olímpico, para a luta contra o doping e para a proteção de atletas limpos", refere ainda Grigory Rodchenkov, que foi o mentor do esquema fraudulento.

Lusa