Desporto

O adeus do capitão

Quinze anos depois da chegada à Luz, Luisão despede-se do clube que o viu despontar para o futebol e onde se conseguiu afirmar como um dos melhores. No dia do adeus, fazemos uma retrospetiva à carreira do capitão mais titulado da história do Benfica.

Nascido no município brasileiro de Amparo, estado de São Paulo, em 13 de fevereiro de 1981, Ânderson Luís da Silva deu os primeiros passos no futebol profissional no Clube Atlético Juventus, em 1999. Tinha 18 anos.

Ao fim de apenas uma temporada, mudou-se para Minas Gerais para representar o Cruzeiro. As boas exibições nas quatro épocas em Belo Horizonte, aliadas à conquista de três títulos, valeram-lhe um carimbo no passaporte para o futebol europeu.

Aterrou em Lisboa no verão de 2003 e, aos 22 anos, Luisão embarcou num desafio chamado Benfica.

Estreou-se de águia ao peito, de forma oficial, a 14 de setembro, no Estádio do Jamor. Defrontou o Belenenses mas, na altura, o Jamor era a casa temporária das águias, depois da velha Luz ter sido demolida e com a nova ainda por estrear.

Luisão em ação na 1.ª eliminatória da Taça UEFA 2003/2004, frente aos belgas do La Louvière

Luisão em ação na 1.ª eliminatória da Taça UEFA 2003/2004, frente aos belgas do La Louvière

Thierry Roge

Nacho Doce

Foi o primeiro de 538 jogos ao serviço do Benfica, uma marca que o eterniza na história do clube como o futebolista estrangeiro com mais encontros de águia ao peito e o segundo de sempre, só atrás de Nené.

Com Petit na celebração do golo ao Liverpool, na 1.ª mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões 2005/2006

Com Petit na celebração do golo ao Liverpool, na 1.ª mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões 2005/2006

Jose Manuel Ribeiro

Na Luz conquistou um total de 20 títulos: 6 campeonatos, 3 Taças de Portugal, 7 Taças da Liga e 4 Supertaças, aliadas a duas presenças na final da Liga Europa. Feitos que fazem de Luisão o jogador que mais títulos conquistou no Benfica.

Luisão nas comemorações do bicampeonato, em 2015

Luisão nas comemorações do bicampeonato, em 2015

Miguel Vidal

O penúltimo troféu que ergueu foi o de tetracampeão nacional, um feito inédito na história do clube:

O percurso longo (algo cada vez mais raro no futebol) que Luisão viveu na Luz esteve em risco de acabar mais cedo. Não só pelo interesse que despertou em vários emblemas internacionais mas também, numa fase mais adiantada, pela falta de espaço que começou a sentir no plantel.

A direção encarnada optou por valorizar o contributo do "Girafa" (os 1,94 metros de altura valeram-lhe a alcunha) e renovou-lhe o contrato em abril de 2017. Na altura, Luisão desabafou sobre os sacrifícios que fez na vida pessoal, a favor do clube:

A escassez de minutos em campo acentuou-se e, em julho passado, Luisão revelou que esta seria a última época de águia ao peito.

Aos 37 anos, coloca um ponto final numa carreira que o imortaliza como uma das figuras de proa da história do Benfica.

Se Luisão é sinónimo de Benfica, Benfica também nunca deixará de ser sinónimo de Luisão.

MANUEL DE ALMEIDA