Desporto

Estados Unidos e Alemanha favoritos no Mundial de futebol feminino

Jean-Paul Pelissier

A prova que se disputa em França tem início na próxima sexta-feira e a final está marcada para o dia 7 de julho.

Os Estados Unidos, três vezes campeões mundiais e líderes do 'ranking' da FIFA, surgem na linha da frente no Mundial de futebol feminino, competição que nunca venceram na Europa e na qual têm a concorrência da Alemanha.

O 'gigante' do futebol feminino, vencedor das edições de 1991, 1999 e 2015, tenta o 'tetra' na competição que vai ser disputada em França, entre sexta-feira e 07 de julho, com 24 equipas distribuídas por seis grupos.

A forte tradição continua a dar o favoritismo às norte-americanas, que deverão superar facilmente o Grupo F, que conta ainda com Suécia (nona do mundo), Chile (39.ª) e Tailândia (34.ª).

Nas convocadas, destaque para nomes como a experiente Alex Morgan, a melhor marcadora na qualificação da CONCACAF, com sete golos, ou para Carli Lloyd, eleita a melhor jogadora do mundo em 2016 e segunda em 2017, num grupo que é liderado pela selecionadora Jill Ellis.

De 'olho' no título mundial está igualmente a Alemanha, campeã mundial em 2003 e 2007, e campeã olímpica em 2016, que é segunda do mundo, e inicia a competição no Grupo B, com China (16.ª), Espanha (13.ª) e África do Sul (49.ª).

Norte-americanas e alemãs são as grandes favoritas, numa competição em que correm por fora a França (quarta), anfitriã e país das tetracampeãs europeias (Lyon), Inglaterra (terceira), terceira classificada em 2015, Japão (sétimo), campeão mundial em 2011 e vice-campeão em 2015, ou Holanda (oitavo), campeã europeia.

A norueguesa Ada Hegerberg, vencedora da bola de ouro em 2018, não vai participar na prova

Campeã mundial em 1995, a Noruega (12.ª do 'ranking') não contará com aquela que atualmente é considerada a melhor do mundo e a grande 'baixa' neste Mundial, a avançada Ada Hegerberg.

Hegerberg, de 23 anos, autora de um 'hat-trick' em 16 minutos na final da Liga dos Campeões, foi eleita Bola de Ouro em 2018 e terceira no prémio FIFA, mas renunciou à seleção, por entender que as mulheres na Noruega ainda não têm o mesmo tratamento que os jogadores masculinos.

O Brasil, vice-campeão mundial em 2007, mantém nas suas fileiras a 'incontornável' avançada Marta, eleita a melhor do mundo em 2006, 2007, 2008, 2009, 2010 e 2018, e a médio Formiga, um ícone do futebol feminino brasileiro e que aos 41 anos estará no seu sétimo Mundial, um recorde.

No conjunto 'canarinho' (13.º), treinado pelo selecionador Vadão e que competirá na fase de grupos com Itália (15.ª), Austrália (6.ª) e Jamaica (49.ª), destaque ainda para as presenças da defesa Tayla e da avançada Geyse, jogadoras do Benfica.

Do futebol português estará mais uma representante, com a Nigéria a contar com a médio Uchendu, futebolista do Sporting de Braga.

Outras presenças lusas são as de Sandra Bastos, a primeira árbitra portuguesa num Mundial feminino, e a de Tiago Martins, que estará no videoárbitro, numa competição que terá pela primeira vez a 'ajuda' tecnológica.

A seleção feminina portuguesa, 30.ª do 'ranking', que em 2017 teve um apuramento inédito para o Europeu, nunca participou num Mundial, tendo falhado o apuramento num grupo em que foi terceiro, atrás de Itália e Bélgica.

Para os oitavos de final do Mundial apuram-se os dois primeiros classificados de cada grupo, mais os quatro melhores terceiros.

Caberá, como é tradição, ao país anfitrião, a França, dar o pontapé de saída desta nona edição, com as gaulesas a defrontarem na sexta-feira a Coreia do Sul, no Parque dos Príncipes, em Paris.

A Alemanha estreia-se no sábado, em Rennes, diante da China, e os Estados Unidos entram pela primeira vez em campo na terça-feira, frente à Tailândia.

Lusa.

  • Palestinianos boicotam cimeira organizada pelos EUA no Bahrein
    2:50
  • André Rieu fez um vídeo para os fãs portugueses
    0:38