Desporto

Luís Castro quer futebol de ataque no Shakhtar Donetsk

www.facebook.com/fcshakhtar

O treinador português foi hoje apresentado como sucessor de Paulo Fonseca no clube ucraniano.

Luís Castro afirmou hoje que deseja ver o Shakhtar Donetsk jogar futebol de ataque, depois de ter sido oficializado como treinador do atual campeão ucraniano de futebol para as próximas duas épocas.

O técnico, de 57 anos, realçou, em declarações ao site oficial do Shakhtar, que, depois de ter recebido a proposta do clube, não mais olhou para as restantes ofertas de trabalho que recebeu e disse estar à espera de colocar em campo "um futebol bonito e de ataque", que corresponda à visão do presidente, Rinat Akhmetov.

"Eu conheço o estilo de jogo do Shakhtar. O presidente fala de futebol com emoção. O clube está cada vez melhor e mais forte, e ele quer ver futebol bonito, de ataque. Nós (equipa técnica) temos a mesma visão. Vamos trabalhar arduamente para agradar aos adeptos", disse o técnico contratado ao Vitória de Guimarães, da I Liga portuguesa.

Luís Castro rumou à Ucrânia para substituir Paulo Fonseca, oficializado na terça-feira como novo treinador da Roma, da Liga italiana, e disse que já acompanhava a sua nova equipa devido ao trabalho do técnico português, de 46 anos, que venceu três campeonatos e três taças da Ucrânia, em três épocas.

"Eu já seguia o Shakhtar há algum tempo, devido ao Paulo Fonseca. Os nossos caminhos já se tinham cruzado no FC Porto - na época 2013/14 -. Ele é um dos melhores treinadores portugueses", afirmou Luís Castro, que vai trabalhar fora de Portugal pela primeira vez.

No ativo desde 1999/00, quando iniciou a carreira no Águeda, o treinador integrou a estrutura do FC Porto entre 2006/07 e 2015/16 e treinou na I Liga nas últimas três épocas - foi sétimo classificado no Rio Ave (2016/17), sexto no Chaves (2017/18) e quinto no Vitória (2018/19).

O presidente do Shakhtar, também em declarações ao sítio oficial, diz ter sido aconselhado pela sua estrutura desportiva a contratar Luís Castro, em virtude da sua "filosofia e estilo de jogo", que pode estar na base de sucessos futuros da equipa, que já tem presença marcada na fase de grupos da Liga dos Campeões, para 2019/20.

Lusa.

  • Miguel Albuquerque desafia PSD a “dizer o que quer”
    10:59