Desporto

Patrícia Sampaio termina em quinto em -78 kg nos Mundiais de Judo

Issei Kato

A judoca natural de Tomar, chegou ao combate pelo bronze após a desistência na repescagem da chinesa Zhenzhao Ma.

A portuguesa Patrícia Sampaio terminou hoje no quinto lugar a competição de -78 kg dos Mundiais de judo, ao perder o combate pela medalha de bronze frente à brasileira Mayra Aguiar, campeã do mundo em 2017.

A judoca lusa, de 20 anos, foi derrotada por ippon, em 1.19 minutos, pela brasileira, que já tinha eliminado a luso-cubana Yahima Ramirez no primeiro combate, terminando a competição no quinto posto, juntamente com a eslovena Klara Apotekar.

A judoca natural de Tomar, que em juniores já se sagrou campeã europeia em 2018 e arrebatou as medalhas de bronze nos Mundiais de 2017 e 2018, chegou ao combate pelo bronze após a desistência na repescagem da chinesa Zhenzhao Ma, vice-campeã asiática em 2017 e 2019, por lesão.

Antes, Patrícia Sampaio venceu os três primeiros combates, diante de Shu Huei Hsu Wang, da China Taipé, da montenegrina Jovana Pekovic e da holandesa Marhinde Verkerk, que venceu o título mundial em 2009, antes de ser derrotada pela japonesa Shori Hamada, atual campeã do mundo, por ippon, nos quartos de final.

Ainda hoje, Jorge Fonseca, que já assegurou a conquista da segunda medalha pela seleção portuguesa na competição, vai disputar a final da categoria de -100 kg, frente ao russo Niyaz Ilyasov, medalha de bronze nos Mundiais de 2018.

Jorge Fonseca, de 26 anos, chegou assegurou uma medalha ao derrotar azeri Elmar Gasimov, vice-campeão olímpico no Rio2016 e europeu em 2014, nas meias-finais, por waza-ari, depois de ter superado, nos quartos de final, o georgiano Varlam Liparteliani, por ippon, em 3.15 minutos.

Antes, o judoca do Sporting, que nasceu em São Tomé e Príncipe, já tinha derrotado o chileno Thomas Briceno, o indiano Avtar Singh e o irlandês Benjamin Fletcher.

Na quinta-feira, Bárbara Timo conquistou a medalha de prata na categoria -70 kg.

Lusa

  • Entregues à sorte (Episódio I)
    Grande Reportagem

    Grande Reportagem

    No Jornal da Noite

    Durante 50 anos a base das Lajes foi o cais de embarque de muitas crianças açorianas dadas pelos pais biológicos a casais norte-americanos colocados na ilha Terceira. Nascidos em famílias pobres e/ou numerosas, sem meios para sustentar mais uma boca, mais um corpo para vestir e calçar, os filhos mais novos eram geralmente os sacrificados.

    Hoje, no Jornal da Noite

    Amélia Moura Ramos