Desporto

Quarteto português entra em campo na Liga Europa

Eric Gaillard

FC Porto a jogar em casa, e Sporting, Sporting Braga e Vitória Guimarães fora.

As quatro equipas portuguesas na Liga Europa de futebol, o maior número numa fase de grupos no atual modelo, entram hoje em campo, com FC Porto a jogar em casa, e Sporting, Sporting Braga e Vitória Guimarães fora.

Os 'dragões', vencedores da competição em 2010/11 já no atual figurino, entram na segunda prova da UEFA depois de terem sido eliminados na fase preliminar da Liga dos Campeões, com o Krasnodar, e recebem o Youn Boys.

A equipa de Sérgio Conceição é favorita diante dos campeões suíços, igualmente relegados para a Liga Europa, depois de eliminados no 'play-off' da Liga dos Campeões pelos sérvios do Estrela Vermelha.Fora de portas, o Sporting não conta com Mathieu, Jesé e Luiz Phellyppe e tem Vietto de regresso, num jogo com início às 17:55 e em que defronta o PSV, de Bruma, antigo jogador da formação 'leonina', e Mitroglou, ex-avançado do Benfica.

Também o Vitória de Guimarães dá o 'pontapé de saída' no primeiro bloco de jogos da tarde, em casa do Standard Liège, equipa do português Orlando Sá, enquanto o Sporting de Braga joga a partir das 20:00 no terreno do Wolverhamptom.

No Molinex Stadium, o Sporting de Braga encontra um adversário treinado pelo português Nuno Espírito Santo e que na última temporada foi equipa sensação na Liga inglesa, ao terminar em sétimo, sendo a primeira equipa atrás dos habituais candidatos ao título.

Um desempenho muito positivo dos 'Wolves' numa época em que tinham subido, com a equipa a manter na atual uma espinha dorsal de jogadores portugueses: Rui Patrício, Rúben Vinagre, João Moutinho, Rúben Neves, Diogo Jota e, atualmente, Bruno Jordão e Pedro Neto.A edição esta época da Liga Europa contará novamente com alguns nomes de peso, como são os casos de Manchester United, Arsenal, Roma, de Paulo Fonseca, Lazio ou Sevilha.

  • Rio Seco 
    2:13

    Reportagem Especial

    O Tejo internacional está em mínimos dos últimos 40 anos e os afluentes Pônsul e Sever praticamente secaram fruto das políticas de gestão de recursos hídricos de Espanha.

    Hoje no Jornal da Noite