Desporto

Mundiais de Atletismo sem portugueses e com cinco finais no programa

Dylan Martinez

Este será o oitavo dia de provas nos Campeonatos do Mundo de atletismo de Doha.

Hoje não haverá nenhum português em ação, destacando-se no programa cinco finais, uma das quais, o salto em altura, a despertar bastante expetativa para o país anfitrião.

O Qatar vai torcer por Mutaz Essa Barshim, campeão em Londres2017 e muito 'apagado' esta época. Mas o facto de saltar no estádio Khalifa de Doha pode galvanizar o único atleta que se aproximou (ficou a dois centímetros) do recorde mundial do cubano Javier Sottomayor (2,45 metros).

A principal oposição deve vir do leste europeu, com os russos Ilya Ivanyuk e Mikhail Akimenko e o bielorrusso Maksim Nadesakau.Nos 3.000 metros obstáculos desta vez não há atletas do Qatar e só o espanhol Fernando Carro se poderá intrometer na luta entre quenianos, etíopes e marroquinos.

'Trono' vago nos 400 metros - o sul-africano Wayde vab Niekerk não apareceu e deixa a luta bastante aberta, como se viu nas meias-finais, com excelentes marcas.No setor feminino a final nos concursos é a do lançamento do disco, com as cubanas Yaime Perez e Denia Caballero a provarem na qualificação que são quem está mais em forma. A croata Sandra Perkovic defende o título.

Em termos de corridas, disputa-se os 400 metros barreiras e teremos em pista a recordista mundial, Dalila Muhamad, dos Estados Unidos, contra, entre outras atletas de primeiro plano, as suas compatriotas Sydney McLaughlin e Ashley Spencer, não sendo de estranhar um pódio totalmente composto por barreiristas da maior potência mundial do atletismo.

Lusa

  • Entregues à sorte (Episódio I)
    Grande Reportagem

    Grande Reportagem

    No Jornal da Noite

    Durante 50 anos a base das Lajes foi o cais de embarque de muitas crianças açorianas dadas pelos pais biológicos a casais norte-americanos colocados na ilha Terceira. Nascidos em famílias pobres e/ou numerosas, sem meios para sustentar mais uma boca, mais um corpo para vestir e calçar, os filhos mais novos eram geralmente os sacrificados.

    Hoje, no Jornal da Noite

    Amélia Moura Ramos