Desporto

MotoGP regressa ao Rio de Janeiro em 2022 em circuito por construir

Felipe Dana

Construção deste circuito está envolta em polémica.

O Rio de Janeiro vai acolher uma prova de MotoGP durante cinco anos, a partir de 2022, anunciou esta quinta-feira a Dorna Sports, promotora do campeonato do mundo de motociclismo de velocidade.

"O novo Rio Motorpark, a construir em Deodoro, acolherá o Grande Prémio", lê-se e a sua conclusão está prevista para 2021.

O autódromo inclui uma pista de 4,5 quilómetros, com um tempo previsto para motos da categoria rainha de 1.38 minutos por volta.

No entanto, a construção deste circuito continua envolta em polémica e as obras ainda não arrancaram.

O projeto localiza-se em terrenos cedidos pelo exército brasileiro, numa zona de Mata Atlântica, utilizado anteriormente para exercícios militares e que está pejado de minas terrestres.

O Ministério do Desporto do Brasil, responsável pelo financiamento das obras, suspendeu o projeto em 2014.

Mas, em 08 de maio, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, confirmou o interesse em acolher o Grande prémio do Brasil de Fórmula 1 já em 2020, o que implicaria a quebra do contrato com São. Paulo.

O Ministério Público acabaria por pedir a anulação do concurso público, que atribuiu o projeto ao consórcio Rio Motorsports, devido à inexistência de um Estudo de Impacte Ambiental.

Em 27 de agosto, um Tribunal Regional Federal determinou a suspensão do contrato de construção do circuito.

A última vez que o campeonato do mundo de motociclismo de velocidade passou pelo Brasil foi no circuito de Jacarepaguá, em 2004, demolido para dar espaço ao Parque Olímpico de 2016.

Lusa

  • Entregues à sorte (Episódio I)
    Grande Reportagem

    Grande Reportagem

    No Jornal da Noite

    Durante 50 anos a base das Lajes foi o cais de embarque de muitas crianças açorianas dadas pelos pais biológicos a casais norte-americanos colocados na ilha Terceira. Nascidos em famílias pobres e/ou numerosas, sem meios para sustentar mais uma boca, mais um corpo para vestir e calçar, os filhos mais novos eram geralmente os sacrificados.

    Hoje, no Jornal da Noite

    Amélia Moura Ramos