Desporto

Jovem paquistanesa quer voltar a jogar basquetebol "mas não abdica de certos princípios"

Fátima Habib em entrevista à SIC.

Em causa está a decisão de equipa de arbitragem que impediu Fatima Habib de entrar em campo, no passado domingo, num jogo de basquetebol.

Fatima Habib continua a treinar no seu clube, em Tavira, mas só continuará a jogar se for autorizada a entrar em campo com camisola e calças pretas por baixo do equipamento.

Segundo o Jornal de Notícias, a paquistanesa só continuará a jogar se for autorizada a atuar de acordo com os princípios muçulmanos: camisola e calças pretas por baixo do equipamento e um lenço na cabeça.

Pai da jogadora apanhado de surpresa

Para Habib ur Reham não existiam problemas. "Ela gosta de jogar basquetebol, é acarinhada por todos no clube, mas a minha família não abdica de certos princípios", disse em declarações ao JN.

Recorde-se, Fatima Habib joga há três anos pelo Clube de Tavira e sempre vestiu véu e roupa para tapar pernas e braços por debaixo do equipamento.

Em esclarecimento, a Federação Portuguesa de Basquetebol, "recusa qualquer tipo de discriminação, seja ela de género, de etnia ou de religião", defendendo que "a jovem não foi impedida de jogar por se ter recusado a mostrar os braços, mas sim porque utilizava uma camisola que não cumpria as normas da FIBA".

  • "Ele deu-me um soco! É uma vergonha": treinador do Belenenses SAD admite que foi agredido
    0:36