Desporto

Farense celebra regresso à I Liga quase 20 anos depois

Facebook SC Farense

A última época do clube algarvio no principal escalão foi a de 2001/2002.

O Farense celebrou esta terça-feira o regresso à Primeira Liga de futebol 18 anos depois. Uma subida que o clube algarvio defende ter sido por "mérito próprio".

Duelo entre Farense e FC Porto em pleno Estádio das Antas, em dezembro de 1997

Duelo entre Farense e FC Porto em pleno Estádio das Antas, em dezembro de 1997

PAULO SILVA

"Subimos e chegámos a um lugar que é nosso por mérito próprio! Subimos porque fomos melhores. Subimos porque das 24 jornadas disputadas, estivemos 22 em lugar de promoção. Subimos porque fomos a equipa em mais jornadas no 1.º lugar. Subimos por mérito, por esforço, por trabalho e pelo grande amor que temos ao futebol e ao Sporting Clube Farense", realçou a sociedade anónima desportiva do emblema de Faro, em comunicado divulgado nas redes sociais.

Em comunicado, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional diz que "fixou" as promoções dos dois primeiros classificados da II Liga, Nacional e Farense, e a despromoção dos dois últimos, Cova da Piedade e Casa Pia, que terão de ser aprovadas em Assembleia Geral do organismo.

O Farense conta 23 participações na primeira divisão, entre 1970/71 e 2001/02, a última época que registou a presença do emblema algarvio no convívio entre os "grandes".

O regresso aos principais palcos do futebol português acontece no ano da comemoração dos 50 anos da primeira subida e do 110.º aniversário do clube, assinalado no passado dia 1 de abril.

O emblema da capital algarvia refere que a conjuntura atual "pode roubar fogos de artificio, banhos de multidão e abraços sentidos, pode roubar o brilho de uma época de excelência e o prazer de um festejo comum, mas não negará nunca o mérito deste grupo, nem calará o grito há 18 anos por dar".

"A história desta instituição há muito que implorava por este momento. Há muito que a nobreza deste clube exigia um lugar condicente. (...) Decisões de má memória exigiram desta instituição e das suas gentes uma força inumana que vemos agora capitalizada", frisou o emblema de Faro.

O defesa brasileiro Paulo Sérgio tenta travar o avançado belga Mbo Mpenza, numa das últimas visitas do clube algarvio a Alvalade, em fevereiro de 2000

O defesa brasileiro Paulo Sérgio tenta travar o avançado belga Mbo Mpenza, numa das últimas visitas do clube algarvio a Alvalade, em fevereiro de 2000

ARMANDO FRANCA

A II Liga foi suspensa por tempo indeterminado em 12 de março, mas foi excluída a sua continuidade por parte do Governo.

O Farense ocupava, na altura, o 2.º lugar do campeonato, com 48 pontos em 24 jogos disputados. O emblema algarvio registava 15 vitórias, três empates e seis derrotas e estava a apenas dois pontos do líder Nacional.

Sob o comando técnico de Sérgio Vieira, que já tinha sido parcialmente responsável pela subida do Famalicão na época passada (orientou a equipa minhota até março), está assim consumado o regresso à I Liga de um clube histórico do futebol português.

Jogadores como Ryan Gauld, Miguel Bandarra, Filipe Melo, Luís Rocha ou Rafael Furlan foram alguns dos protagonistas no relvado. Fora dele, destaque para a forte massa adepta que apoia os "Leões de Faro", no Estádio de São Luís e não só, com especial relevo para a claque South Side Boys, uma das mais carismáticas do futebol português.

O Farense celebra um dos cinco golos marcados ao Desportivo das Aves (5-2) na 3.ª eliminatória da Taça de Portugal. Uma goleada que não só ditou o afastamento do clube avense da prova rainha do futebol português como também o despedimento de Augusto Inácio do comando técnico

O Farense celebra um dos cinco golos marcados ao Desportivo das Aves (5-2) na 3.ª eliminatória da Taça de Portugal. Uma goleada que não só ditou o afastamento do clube avense da prova rainha do futebol português como também o despedimento de Augusto Inácio do comando técnico

FILIPE FARINHA

  • 2:34