Desporto

Competição ibérica de clubes na base do plano estratégico do râguebi português

Ed Sykes

Federação Portuguesa de Râguebi tem um projeto para a alta competição até 2024.

A criação de competições internacionais e a participação de seleções e clubes portugueses nas mesmas são a base da estratégia da Federação de râguebi (FPR) para a alta competição até 2024, segundo um plano enviado pelo organismo aos clubes.

O projeto para o quadriénio 2020/24, a que a Lusa teve hoje acesso, prevê a criação de uma nova competição ibérica de clubes ou regiões, tal como "acordado com o presidente da federação espanhola", Alfonso Feijoo, além da "recuperação da presença de uma ou duas equipas nacionais" numa competição europeia.

No mesmo ponto, relativo ao alto rendimento, o plano estratégico confirma ainda a existência de "negociações para participação numa competição de seleções de países latinos, incluindo sul-americanos, sob a égide da World Rugby", conforme a agência Lusa noticiou em 10 de abril.

Nessa altura, o presidente da FPR, Carlos Amado da Silva, confirmou haver "interesse" em colocar uma seleção de jogadores portugueses do campeonato nacional numa competição internacional, entreabrindo a porta ao regresso dos Lusitanos XV, ideia que é agora reiterada no plano estratégico.

Recuperação das Academias e do Centro de Alto Rendimento no plano

"É necessário e urgente recuperar as Academias e o Centro de Alto Rendimento, sabendo que este será o passo decisivo para a afirmação do potencial de muitos jovens que formarão a base de uma seleção residente (Lusitanos) que se pretende que participe numa competição internacional, numa antecâmara para a seleção nacional (Os Lobos), necessariamente reforçada com profissionais que participem em campeonatos estrangeiros", lê-se no preâmbulo assinado por Amado da Silva.

Para isso, o plano prevê a formação de uma "academia de elite" com "40 jogadores contratados", 15 dos quais para a variante de sevens que será, também, uma "grande aposta" para recuperar a "qualidade e competitividade do passado recente", tendo em vista o regresso ao circuito mundial e o acesso aos Jogos Olímpicos, objetivos qualificados como "possíveis mas muito difíceis de alcançar".

Realização de jogos em França para captar jogadores lusodescendentes

Ainda no plano do reforço da seleção nacional, a estratégia da FPR continua a prever a realização de jogos em França como medida de "captação de novos jogadores lusodescendentes" e também uma reaproximação àqueles que competem em campeonatos estrangeiros, "indispensáveis" ao reforço da seleção.

O documento de 70 diapositivos revela, ainda, novidades na estrutura diretiva da FPR, com a inclusão de Paulo Paiva dos Santos e João Constantino como vice-presidentes e uma nota a indicar que carecem de ratificação em Assembleia Geral.

Paiva dos Santos deverá integrar a área operacional, ficando com a pasta da comunicação e da plataforma online da Rugby TV, enquanto João Constantino surge como "assessor" do presidente da FPR, mas para a área desportiva.