Desporto

Portuguesa Jenny decisiva no título de futsal feminino do Burela

Jenny (de joelhos, com a taça na mão) durante a cerimónia de celebração.

diariodepontevedra.es

Jogadora representa a equipa espanhola há três épocas.

Um golo "à futsal" da portuguesa Jenny foi decisivo, no domingo, para a conquista do título feminino espanhol pelo Burela, colocando um ponto final no jejum de quatro anos das galegas.

Quando faltavam nove minutos para terminar a final frente ao Alcorcón, e com o resultado empatado 2-2, "numa jogada de transição", a ex-jogadora do Sporting, Quinta dos Lombos e Del Nero acabou por fazer o golo decisivo para a conquista do terceiro título de campeãs nacionais da equipa da Galiza (2012/13, 2015/16 e 2019/20).

"Ainda não sabíamos muito bem o que iria acontecer, mas fiquei contente por marcar e ajudar a equipa. Na altura pensei: Agora é defender bem e tentar marcar mais um, porque elas são uma equipa que marca muitos golos", disse hoje à Lusa a ala portuguesa que, em Espanha, já conquistou também a Copa Xunta, a Copa de la Reina, a Supercopa e a Recopa de Europa.

O título que faltava no currículo acabou por ser conquistado num jogo à porta fechada, devido à pandemia de Covid-19, o que acabou por ser "estranho" num dia de emoções contraditórias "porque o pavilhão estava vazio".

"É que o jogo parece frio. Não temos os nossos adeptos, não há ninguém a gritar, ouve-se tudo. Não fizemos um bom jogo, mas o importante foi a vitória", explicou a internacional portuguesa, sobre os 40 minutos para os quais treinaram durante um mês.

Quando o campeonato foi interrompido, estavam apuradas as quatro melhores equipas da fase regular, mas a desistência de uma delas deixou a equipa de Jenny, melhor classificada dessa fase, apurada diretamente para a final, enquanto o Alcorcón teve de disputar uma meia-final.

"Só saio se me mandarem embora. Por mim fico até terminar a carreira"

A jogar na Galiza há três épocas consecutivas, depois de uma passagem de um ano pelo Pescara (Itália), a internacional portuguesa não tem planos para voltar ao país, até porque acredita que está na "melhor equipa da Europa ou até do mundo".

"Aqui em Burela, só saio se me mandarem embora. Por mim fico até terminar a carreira", garantiu, já depois de analisar as diferenças entre Portugal e Espanha ao nível do futsal feminino.

Segundo Jenny, em Portugal, existe muita "qualidade técnica" por parte das jogadoras, mas a Espanha está "à frente a nível tático e competitivo".

"Aqui as equipas vivem muito o futsal, há muito compromisso, as jogadoras dão tudo. A nível financeiro, em Portugal há dois clubes que põem dinheiro na mesa. Em Espanha o meu clube é o único profissional, mas depois há outros clubes semiprofissionais e a federação dá apoio", comparou, sem se alongar, até porque já saiu do país "há muito tempo".