Desporto

Flamengo, de Jorge Jesus, perde com Fluminense final da Taça Rio nos penáltis

Jorge Jesus, treinador do Flamengo.

Ricardo Moraes

Jogo terminou empatado a uma bola no final dos 90 minutos.

O Flamengo, de Jorge Jesus, perdeu na quarta-feira a Taça Rio em futebol, segunda fase do estadual Carioca, ao cair na final face ao rival Fluminense, que se impôs por 3-2 nos penáltis, após 1-1 nos 90 minutos.

No Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro, o Flu marcou primeiro, aos 37 minutos, por Gilberto, mas, aos 78, o suplente Pedro restabeleceu a igualdade e, até ao final, os campeões brasileiros tiveram várias ocasiões para selar a reviravolta.

A equipa de Jesus não foi, porém, eficaz, tal como nos penáltis, em que só converteu dois, por Gabriel Barbosa e Pedro, desperdiçando três, dois defendidos por Muriel, ex-guarda-redes do Belenenses, incluindo o decisivo, de Rafinha.

Pelos locais, marcaram Nenê, Hudson e Pacheco, enquanto Dodi e Michel esbarraram no especialista Diego Alves.

Muriel, guarda-redes do Fluminense.

Muriel, guarda-redes do Fluminense.

Ricardo Moraes

"Primeiro, quero dar os parabéns ao Fluminense. Fez um golo de ressalto e, depois, jogou para ir aos penáltis, pensando que poderia aí ser superior, o que aconteceu. Não ganhou por sorte, pois foi competente nas grandes penalidades", disse Jorge Jesus.

"Fluminense quase não criou perigo" durante a partida

À televisão do Flamengo, o técnico luso lembrou ainda que a sua equipa "dominou, praticamente, o jogo todo, sobretudo a segunda parte, em que marcou um golo e criou várias oportunidades, enquanto o Fluminense quase não criou perigo".

Com este desaire, Jesus falhou a conquista da Taça Rio e a hipótese de se sagrar já campeão Carioca, o que aconteceria vencendo, pois já arrebatara a Taça Guanabara, primeira fase do estadual, numa final com o Boavista (2-1).

Jorge Jesus, treinador do Flamengo.

Jorge Jesus, treinador do Flamengo.

Ricardo Moraes

"Temos de fazer dois jogos com o Fluminense e vamos encará-los com a mesma confiança", garantiu Jorge Jesus, que tem sido apontado como o grande desejo do Benfica, e do presidente Luís Filipe Vieira, para a época 2020/21.

O Flamengo entrou no jogo a tentar dominar e teve mais tempo a bola, mas, em toda a primeira parte, só fez dois remates, por De Arrascaeta (29 minutos) e Rodrigo Caio (35), e ambos saíram longe da baliza defendida por Muriel.

Por seu lado, o Flu fez uma primeira ameaça aos 24 minutos, por Gilberto, que acabaria por inaugurar o marcador, aos 37, num cabeceamento fora do alcance de Diego Alves, depois de um centro de Edígio e um primeiro toque de cabeça de Marcos Paulo.

Jogadores numa disputa de bola, na final da Taça do Rio.

Jogadores numa disputa de bola, na final da Taça do Rio.

Ricardo Moraes

Na segunda parte, o onze de Jorge Jesus, em desvantagem, instalou-se junto à área contrária e criou várias ocasiões para empatar, nomeadamente por Bruno Henrique (55 minutos), Gerson (65) e o ex-benfiquista Gabriel Barbosa (67 e 76).

A insistência do Fla acabou por dar frutos aos 78 minutos, com o suplente Pedro, entrado aos 75, a faturar de cabeça, já na pequena área, após centro da esquerda de Filipe Luís.

Na parte final, os campeões brasileiros tentaram evitar a lotaria, mas Bruno Henrique atirou ao lado (84 minutos) e cabeceou para Hudson salvar sobre a linha (85).

O ex-portista Diego ainda atirou para Muriel defender (90+1).A Taça Rio decidiu-se, assim, nos penáltis, com Diego Alves e Muriel a defenderem, cada qual, dois pontapés, mas o Fla a desperdiçar três, pois Leo Pereira atirou ao lado.

Jogadores do Fluminense durante os festejos na final da Taça Rio.

Jogadores do Fluminense durante os festejos na final da Taça Rio.

Ricardo Moraes