Desporto

Mbappé testa positivo a covid-19 e abandona seleção francesa

CHRISTOPHE PETIT TESSON

Jogador ainda treinou esta manhã.

Kylian Mbappé, avançado do Paris Saint-Germain e da seleção francesa de futebol, teve um teste positivo a covid-19 e não poderá jogar terça-feira contra a Croácia, foi anunciado esta segunda-feira por elementos da seleção gaulesa.

Mbappé deveria ser utilizado pela França no jogo marcado para o Stade de France, em Saint-Denis, para o grupo da Liga Nações que também integra Portugal e Suécia.

O jogador ainda esteve no treino de hoje, sabendo depois os resultados que foram feitos de manhã.

"Foi colocado afastado da equipa depois de recebermos os resultados, após o treino e antes de regressar ao seu domicílio", explicou uma fonte da seleção. "Como toda a equipa, tinha feito um teste prévio ao estágio e o resultado foi negativo, a exemplo do que fizera quarta-feira a pedido da UEFA, no quadro do Suécia-França".

Com este caso, são já sete os jogadores do PSG com covid-19, nomeadamente a estrela principal da equipa, Neymar.

Mbappé também falhará o regresso do PSG no campeonato francês, contra o Lens, a exemplo de outros seis colegas, entre os quais Neymar, Di Maria e Leandro Paredes.

O gaulês arrisca-se ainda a não estar disponível para o jogo grande de domingo, contra o Marselha, já que o protocolo da Liga francesa prevê o isolamento por oito dias após cada caso positivo.

Onda de casos na seleção francesa

A onda de casos na seleção francesa também é forte e a este nível Mbappé segue-se a Paul Pogba, Houssem Aouar e Steven Mandanda, que foram forçados a abandonar os trabalhos da equipa.

A seleção está a trabalhar numa 'bolha sanitária', realizando testes PCR e fechando-se ao exterior, no centro de estágio de Clairefontaine, no hotel de Estocolmo ou no Stade de France, onde treinam e vão jogar terça-feira.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado