Desporto

Rúben Dias é a segunda transferência mais cara de sempre em Portugal

MANUEL DE ALMEIDA

Apenas atrás de João Félix.

Os 68 milhões de euros (ME) pagos pelo Manchester City ao Benfica pela contratação de Rúben Dias tornam a transferência do defesa internacional português a segunda mais cara de um futebolista em Portugal, apenas atrás de João Félix.

O Benfica informou no domingo que a transferência de Rúben Dias para o clube inglês envolve o pagamento de 68 ME, que poderão ser acrescidos de mais 3,6 ME, elevando o total para 71,6 ME, "dependente da concretização de objetivos relacionados com a performance desportiva do Manchester City".

O valor da transferência do defesa central, de 23 anos, apenas é superado pelos 120 ME que o Atlético de Madrid pagou, também ao Benfica, pela contratação do avançado João Félix, no verão de 2019.

Os 'colchoneros' aceitaram pagar a cláusula de rescisão do avançado, que se tornou o jogador português mais caro da história, superando os 100 ME que Cristiano Ronaldo custou à Juventus, em 2018/19.

Rúben Dias desalojou do segundo lugar das transferências mais caras do futebol português o médio Bruno Fernandes, que é agora terceiro dessa lista e por quem o Manchester United desembolsou 55 ME em janeiro, tornando-o a venda mais cara de sempre do Sporting.

O brasileiro Éder Militão deixa de integrar o pódio nacional, mas mantém-se como a transferência mais cara do FC Porto, depois de em junho do ano passado ter trocado os 'dragões' pelo Real Madrid, por 50 ME.

O colombiano James Rodríguez, por quem o Mónaco pagou 45 ME ao FC Porto, em 2013, surge na quinta posição deste 'ranking', logo seguido por seis jogadores que proporcionaram um encaixe de 40 ME, cada, a Benfica, FC Porto e Sporting, segundo comunicaram estes clubes à Comissão do Mercado de Valor Mobiliários (CMVM).

O primeiro foi o avançado colombiano Radamel Falcao, que se mudou dos 'dragões' para o Atlético de Madrid, em 2011, e o último foi Fábio Silva, contratado já este mês ao FC Porto pelos ingleses do Wolverhampton.

Fábio Silva passou igualmente a ser o terceiro futebolista sub-18 mais caro de sempre, sendo apenas suplantado pelos brasileiros Vinícius Júnior e Rodrygo, que custaram 45 ME, cada, ao Real Madrid, em 2017 e 2018, respetivamente.

Em 2012, o Zenit São Petersburgo foi o 'cliente 40 ME' do futebol português, ao contratar por este valor o brasileiro Hulk, ao FC Porto, e o belga Axel Witsel, ao Benfica, e, em 2016, foi a vez de o Sporting se juntar ao restrito 'clube', com o anúncio da transferência de João Mário para o Inter Milão.

O brasileiro Ederson, o único guarda-redes nos primeiros lugares da lista, também rendeu 40 ME ao Benfica, pagos pelo Manchester City, em 2017.