Desporto

Construtor automóvel Honda vai deixar a Fórmula 1 após 2021

USA TODAY USPW

Honda quer focar-se na produção de novos motores neutros em carbono.

A construtora automóvel Honda vai retirar-se do campeonato do Mundo de Fórmula 1 no final da temporada de 2021, anunciou esta sexta-feira a marca nipónica, que atualmente equipa as escuderias Red Bull e AlphaTauri.

Em comunicado, a Honda, que regressou à modalidade em 2015 depois de uma ausência de sete anos, invoca os seus novos objetivos na produção de novos motores neutros em carbono, expicando que pretende "atingir a neutralidade em carbono em 2050".

A Honda viveu os seus momentos mais gloriosos na modalidade rainha do automobilismo de pista no final das décadas de 80 do século XX, regressando depois à competição em 2006 e retirando-se apenas dois anos depois.

Em 2015, a marca japonesa voltou a associar-se à McLaren, substituindo a Mercedes, mas viveu três épocas difíceis com o motor V6 a ficar abaixo das expectativas.

Nas duas últimas temporadas, a Honda, que agora irá obrigar a Red Bull e a sua subsidiária Alfa Tauri a encontrarem um novo fornecedor de motores para 2022, ano de implementação de novos regulamentos, conseguiu cinco vitórias em Grandes Prémios.

Em comunicado, a Red Bull, quem em 2018 trocou a Renault pela Honda já disse compreender a respeitar a decisão, deixando a garantia de que está preparada para novos desafios.

"Entendemos e respeitamos o raciocínio que está por trás desta decisão, que nos coloca alguns desafios. Estamos bem preparados para responder com eficácia, como já fizemos no passado", afirmou o diretor da equipa, Chris Horner.

  • Uma nova era. Joe Biden e Kamala Harris tomam posse nos EUA

    Eleições nos EUA

    Joe Biden e Kamala Harris foram esta quarta-feira empossados como Presidente e vice-Presidente dos EUA. Uma cerimónia histórica, vincada por declarações fortes e momentos de emoção. No primeiro discurso na qualidade de 46.º Presidente dos EUA, Biden apelou à união nacional e reiterou que "a democracia e a esperança" não morrerão.

    Em atualização

    SIC Notícias