Desporto

Jogo de Roland Garros investigado por suspeitas de fraude e corrupção

Alessandra Tarantino

Em causa está um duelo de pares femininos, em 30 de setembro.

O Ministério Público de Paris confirmou esta terça-feira a existência de um inquérito, aberto a 1 de outubro, por fraude organizada e corrupção desportiva ativa e passiva, suspeitando de um resultado combinado no torneio de ténis de Roland Garros.

Segundo o jornal alemão Die Welt e o francês L'Équipe, as suspeitas recaem sobre um jogo de pares femininos, em 30 de setembro, entre as romenas Andreea Mitu e Patricia Maria Tig e a dupla formada pela russa Yana Sizikova e a norte-americana Madison Brengle, da primeira ronda daquele torneio do Grand Slam.

Em concreto, está em causa o quinto jogo do segundo 'set', em que a jogadora russa fez duas duplas faltas, entregando o ponto às adversárias.

O L'Équipe, adianta que "quantias elevadas foram apostadas na vitória das romenas, em vários operadores de Paris, com ordens vindas de vários países".

As investigações foram confiadas ao Serviço Central de Corridas e Jogos (SCCJ), esclarece o Ministério Público.