Desporto

Quatro pilotos na luta pelo título mundial de ralis à entrada da última prova

TT News Agency

A prova arranca esta quinta-feira com uma super-especial de 4,3 quilómetros.

Quatro pilotos estão ainda na luta pelo título mundial de ralis à entrada da última prova do campeonato, o Rali de Monza, que se disputa até domingo, naquela localidade italiana, com Elfyn Evans (Toyota Yaris) na liderança.

O britânico Elfyn Evans (Toyota Yaris) é o principal favorito, sabendo que, atrás de si, o mais direto perseguidor é o francês Sébastien Ogier (Toyota Yaris), que já foi seis vezes campeão mundial e que dispõe das mesmas armas.

Evans parte com 14 pontos de vantagem face a Ogier (111 contra 97).

Com um máximo de 30 pontos em disputa (25 pela vitória na prova e cinco pela vitória na 'power stage', a derradeira especial), Evans tem de, pelo menos, ser segundo para ser campeão sem depender de mais ninguém.

Ou então ser quarto classificado na prova e vencer a 'power stage'.

Caso desista, Ogier precisa de 21 pontos para conquistar, desde logo, sem depender de mais ninguém, o sétimo título da carreira, o que equivale a, pelo menos, ser segundo no rali e terceiro na 'power stage'.

Para além de Ogier, o piloto galês tem de contar, ainda, com o belga Thierry Neuville (Hyundai i20), que tem 24 pontos de atraso e precisa de um pequeno milagre para ainda poder festejar o título que nunca conquistou.

Tem de vencer o rali e esperar que Evans desista ou vencer o rali e a 'power stage' e que Evans fique em oitavo ou abaixo e abaixo de quarto na 'power stage'.

O caso do campeão em título, o estónio Ott Tanak (Hyundai i20) é ainda mais dramático, pois parte com 28 pontos de atraso.

Precisa de vencer a prova, ser pelo menos segundo na 'power stage' e esperar que os restantes três não cheguem à derradeira especial.

Também entre os construtores está o título por atribuir, com a Hyundai na frente da Toyota por oito pontos.

Se a marca japonesa fizer primeiro e segundo com dois dos seus carros, passa para a frente e conquista o título.

A prova arranca hoje com uma super-especial de 4,3 quilómetros.

Na sexta-feira disputam-se mais cinco troços cronometrados, sete no sábado e três no domingo, incluindo a 'power stage' de 14 quilómetros que encerra o campeonato.

Ao todo são 16 as especiais em disputa.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia