Desporto

PSG-Basaksehir interrompido por comentário racista. UEFA abre investigação

Charles Platiau

Os jogadores de ambas as equipas abandonaram o relvado aos 14 minutos. O jogo será retomado quarta-feira.

O jogo da sexta jornada da Liga dos Campeões, entre o Paris Saint-Germain (PSG) e o Basaksehir, foi interrompido aos 14 minutos depois de a equipa turca acusar o quarto árbitro de ter usado um termo racista para se referir ao treinador adjunto, Pierre Webó, que é oriundo da República dos Camarões.

Quando o quarto árbitro, Sebastian Coltescu, deu sinal ao árbitro principal para expulsar o treinador adjunto do Basaksehir, este queixou-se que o elemento da equipa de arbitragem utilizou a expressão 'negro', recusando-se a sair do campo e questionando: "Where is the 'negro'? (Onde está o 'negro')."

Os jogadores da equipa turca ficaram furiosos com o incidente. Demba Ba, um dos jogadores do Basaksehir, Neymar e Kylian Mbappe, ambos do PSG, exigiram explicações ao oficial de linha, enquanto Okan Buruk, treinador da equipa turca, acusou Coltescu de ser racista.

Após vários minutos, o 'staff' da equipa turca e os jogadores, seguidos pelos atletas do PSG, decidiram abandonar o relvado, numa altura em que o jogo estava empatado 0-0.

Jogo será retomado quarta-feira

A UEFA emitiu uma nota sobre o incidente que marcou o jogo entre o PSG e o Basaksehir, avançando que este será retomado com um quarto árbitro diferente.

“Seguindo o alegado incidente envolvendo o quarto árbitro, o jogo foi temporariamente suspenso. Depois de uma conversa com ambas as equipas, foi acordado que o jogo irá recomeçar com um quarto árbitro diferente”, esclarece a UEFA numa nota citada pela Reuters.

A entidade de futebol avança ainda que irá proceder a uma “meticulosa investigação” sobre o incidente que marcou a partida desta terça-feira.

Apesar da nota da UEFA, o jogo só deverá ser retomado esta quarta-feira pelas 18:55 (17:55, em Lisboa), segundo anunciou o diretor da equipa de Istambul à AFP. A partida a contar para a Champions deverá recomeçar no momento em que foi interrompida, ou seja, aos 14 minutos.

"O jogo retomará na quarta-feira, no momento em que foi interrompido", disse acrescentando que "as condições não estavam reunidas" para que a partida retomasse esta terça-feira

Durante o incidente, o Basaksehir publicou, na sua conta de Twitter, uma imagem da UEFA onde se pode ler “não ao racismo”, num apelo ao respeito no futebol. A publicação foi também partilhada pelo Paris Saint-Germain, num gesto de apoio à equipa turca.

Erdogan reage aos comentários

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, condenou “veemente” as declarações racistas atribuídas ao quarto árbitro sobre o treinador adjunto da equipa Basaksehir.

“Condeno veemente as observações racistas feitas contra Pierre Webó, membro da equipa técnica de Basaksehir, e estou convencido de que a UEFA irá tomar as medidas necessárias”, escrever Erdogan na sua conta de Twitter.

Olivier Bonamici defende que é preciso saber o que foi dito

Olivier Bonamici, comentador da SIC Notícias, considera que “inacreditável” o que aconteceu esta terça-feira no jogo da Champions.

“ A grande questão é perceber o que realmente diz o árbitro porque, hoje em dia, para entender, às vezes, a arbitragem, o que se passa dentro do relvado, é melhor ter um dicionário”, diz Olivier Bonamici, na Edição da Noite.

O comentador explica que em romeno, língua do quarto árbitro, a palavra “negru” significa “negro” enquanto, em francês, a palavra homófona tem o significado de “preto”, um termo com um conotação negativa. Bonamici lembra que a equipa de Istambul considera que, em ambos os casos, se trata de um ato racista para com Pierre Webó.