Desporto

Vasco Seabra já não é treinador do Boavista

MANUEL FERNANDO ARAUJO

Treino desta terça-feira à tarde vai ser orientado por Jorge Couto, treinador adjunto.

Vasco Seabra já não é treinador do Boavista.

A SIC sabe que houve uma reunião esta terça-feira de manhã entre o treinador e a direção do clube.

Vasco Seabra e a administração da SAD estão a acertar a rescisão do vínculo contratual, confirmou à Lusa fonte do clube da I Liga de futebol. O clube procura agora soluções.

Após um dia de folga, o regresso do plantel ao trabalho deveria acontecer na manhã desta terça-feira mas foi adiado para a tarde. Vai decorrer no complexo contíguo ao Estádio do Bessa sob orientação do adjunto Jorge Couto, campeão nacional pelo Boavista em 2000/01.

A saída do treinador acontece dois dias após o 'nulo' frente ao Rio Ave, que deixou o Boavista no 15.º posto, com os mesmos oito pontos de Farense (14.º) e Tondela (16.º), um acima de Portimonense (17.º) e Marítimo (18.º e último), ambos em zona de descida.

Vasco Seabra tinha assinado contrato de duas temporadas com o clube em julho deste ano. Sucedeu a Daniel Ramos, que conduziu o Boavista ao 12.º lugar da I Liga, com 39 pontos.

O técnico de 37 anos, natural de Paços de Ferreira, regressou ao primeiro escalão no comando técnico do Boavista, após ter estado no Paços de Ferreira, em parte das temporadas de 2016/17 e 2017/18. Seabra tinha orientado também o Clube Desportivo de Mafra, que ocupava o quarto lugar na II Liga, aquando da interrupção da competição devido à pandemia de covid-19.

Todos os pormenores no programa “Jogo Aberto” esta terça-feira às 18:00 na SIC Notícias.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia