Desporto

"Não ao racismo": a reação da Turquia ao comentário no jogo PSG-Basaksehir

Árbitro terá chamado "negro" ao treinador adjunto, no jogo entre o Paris Saint-Germain e o Basaksehir, na Liga dos Campeões.

O racismo voltou a marcar o mundo do futebol. O jogo da Liga do Campeões entre o Paris Saint-Germain (PSG) e o Basaksehir desta terça-feira foi suspenso, depois do quarto árbitro chamar negro a um elemento da equipa técnica turca, Pierre Webó, oriundo da República dos Camarões.

José Pedro Tavares, em direto de Ancara, na Turquia, contou na Edição da Manhã que o assunto está a dominar a atualidade do país, tanto nos jornais, como nas redes sociais.

"Têm todos duas palavras hoje - Não ao racismo", disse, acrescentanto que o momento está em destaque nos principais jornais turcos e que alguns falam em escândalo e choque.

O correspondente na Turquia José Pedro Tavares lembra também que o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, condenou o comentário racista e mostrou-se solidário com o técnico.

Quando o quarto árbitro, Sebastian Coltescu, deu sinal ao árbitro principal para expulsar o treinador adjunto do Basaksehir, este queixou-se que o elemento da equipa de arbitragem utilizou a expressão 'negro', recusando-se a sair do campo e questionando:

"Where is the 'negro'? (Onde está o 'negro')."

O jogo foi interrompido aos 14 minutos. Todos os jogadores se recusaram a continuar o jogo, que vai ser retomado esta quarta-feira, às 18:00. A UEFA está a investigar o incidente.