Desporto

"No palco do futebol é muito claro que há um problema gravíssimo a resolver"

A análise de Luís Cristóvão, comentador da SIC, às acusações de racismo na Liga dos Campeões.

O jogo da sexta jornada da Liga dos Campeões, entre o Paris Saint-Germain (PSG) e o Basaksehir, foi interrompido aos 14 minutos depois de a equipa turca acusar o quarto árbitro de ter usado um termo racista para se referir ao treinador adjunto, Pierre Webó, que é oriundo da República dos Camarões.

Luís Cristóvão, comentador da SIC, entende que o quarto árbitro "não pode utilizar aquele tipo de linguagem para se referir a alguém que está no banco".

Quando o quarto árbitro, Sebastian Coltescu, deu sinal ao árbitro principal para expulsar o treinador adjunto do Basaksehir, este queixou-se que o elemento da equipa de arbitragem utilizou a expressão 'negro', recusando-se a sair do campo e questionando: "Where is the 'negro'? (Onde está o 'negro')."

"A forma como ele fala revela que há um problema e se ele não reconhece que esse problema existe então temos dois problemas", diz Luís Cristóvão.

Os jogadores da equipa turca ficaram furiosos com o incidente. Demba Ba, um dos jogadores do Basaksehir, Neymar e Kylian Mbappe, ambos do PSG, exigiram explicações ao oficial de linha, enquanto Okan Buruk, treinador da equipa turca, acusou Coltescu de ser racista.

Após vários minutos, o staff da equipa turca e os jogadores, seguidos pelos atletas do PSG, decidiram abandonar o relvado, numa altura em que o jogo estava empatado 0-0.

"A UEFA neste momento tem de tomar uma posição", já foi incluisivé nomeada uma comissão para investigar "quem disse o quê".

A instituição de futebol já veio dizer que não há espaço para discriminação no futebol e promete investigar o incidente.

  • 1:57