Desporto

Ex-presidente do FC Barcelona Josep M. Bartomeu sai em liberdade condicional

Josep Maria Bartomeu

Albert Gea

Josep María Bartomeu usou o seu direito de não testemunhar em tribunal.

O ex-presidente do FC Barcelona Josep Maria Bartomeu saiu hoje em "liberdade provisória", após ter comparecido perante um juiz, no âmbito da investigação do processo Barçagate, uma alegada campanha difamatória promovida contra adversários da sua administração.

Bartomeu e Jaume Masferrer, ex-diretor da presidência do clube espanhol, foram colocados em liberdade, após terem passado a noite detidos, mas "permanece aberta a investigação" sobre crimes de corrupção e outros delitos criminais, informou o Tribunal Superior da Catalunha, em comunicado.

Os dois antigos dirigentes do FC Barcelona decidiram não prestar declarações em tribunal, tal como já tinha acontecido perante as autoridades policiais, à semelhança do que fizeram o diretor-geral do clube, Óscar Grau, e o diretor jurídico, Román Gómez Ponti, que saíram em liberdade na segunda-feira.

Caso Barçagate

A menos de uma semana das eleições para os órgãos sociais do clube, o processo “Barçagate” ganhou novos contornos. A meio da manhã desta segunda-feira, os agentes de investigação entraram nas instalações do FC Barcelona e procuraram provas do relacionamento do clube com a empresa externa “i3 Ventures”.

Em comunicado, o Barça garante que colaborou com a justiça e entregou todos os documentos requeridos. Uma das primeiras consequências foi a detenção do presidente demissionário e outros três dirigentes do clube.

A “i3 Ventures” é suspeita de ter sido responsável por denegrir a imagem pública de jogadores da equipa, como Lionel Messi ou Gerard Pique, e ex-treinadores, como Xavi Hernández, Carles Puyol ou Pep Guardiola. Há ainda suspeitas de desacreditação de personalidades ligadas ao Barcelona e de opositores da direção.