Desporto

Braçadeira de capitão de Cristiano Ronaldo leiloada por 64.000 euros

Cristiano Ronaldo atira a braçadeira de capitão para o chão depois de o árbitro ter invalidado um golo de Portugal frente à Sérvia, de apuramento para o Mundial2022 de futebol

MIGUEL A. LOPES

O valor conseguido vai servir para ajudar um bebé de 6 meses que está doente.

A braçadeira de capitão da seleção portuguesa de futebol que Cristiano Ronaldo atirou ao relvado no fim do jogo com a Sérvia (2-2) foi arrematada esta sexta-feira, por 64.000 euros, num leilão realizado para ajudar uma criança doente.

"O leilão, com caráter humanitário, da braçadeira de capitão de Cristiano Ronaldo acaba de terminar, com a notável cifra de 7,5 milhões de dinares [perto de 64.000 euros]", informou o promotor da iniciativa, Jovan Simic, na rede social Twitter.

Simic agradeceu especialmente ao bombeiro Djordje Vukicevic, que recolheu a braçadeira lançada pelo avançado português e a entregou para ser leiloada, a fim de angariar dinheiro para ajudar um bebé de seis meses que sofre de atrofia muscular espinhal e precisa de tratamentos com custos na ordem de dois milhões de euros.

No sábado, com a partida empatada 2-2 (depois de Portugal ter estado a vencer por 2-0), Cristiano Ronaldo rematou e o sérvio Mitrovic retirou a bola, aparentemente, já depois de ter ultrapassado completamente a linha de baliza, mas o golo não foi validado.

Na sequência do lance, Cristiano Ronaldo protestou, foi admoestado com cartão amarelo e atirou com a braçadeira de capitão para o relvado do Estádio Rajko Mitic, em Belgrado, no final do jogo de apuramento para o Mundial2022.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros