Desporto

Olympiacos, de Pedro Martins, revalida título grego de futebol

FERNANDO VELUDO

A formação do Pireu conta com os portugueses José Sá, Rúben Semedo, Tiago Silva e Bruma.

O Olympiacos sagrou-se este domingo campeão grego de futebol pela 46.ª vez, a segunda consecutiva sob o comando do português Pedro Martins, ao vencer na receção ao rival Panathinaikos e ao beneficiar da derrota do Aris Salónica.

A formação do Pireu, que conta com os portugueses José Sá, Rúben Semedo, Tiago Silva e Bruma, venceu por 3-1 e soma 76 pontos, já inalcançáveis para o Aris, segundo colocado, com 54.

A equipa do Piréu ainda esteve em desvantagem, depois de o italiano Federico Macheda, aos 29 minutos, ter adiantado o PAOK, de penálti, mas o egípcio Koke, aos 45+3 e aos 72, o segundo com assistência de Bruma, e o próprio Bruma, aos 90+7, protagonizaram a reviravolta no marcador e nova conquista para a equipa da capital grega.

Pedro Martins, de 50 anos, chegou ao Olympiacos em maio de 2018, tornando-se no quinto treinador português no clube, depois de Leonardo Jardim, em 2012/13, Vítor Pereira, em 2014/15, Marco Silva, em 2015/16, e Paulo Bento, em 2016/17.

Em 2019/20, o técnico natural de Santa Maria da Feira conquistou a 'dobradinha', ao juntar o triunfo na Taça da Grécia ao campeonato, tornando-se também no quinto luso a vencer a competição pelo clube e o primeiro a 'bisar'.

Antes, o antigo médio de Sporting, Feirense, Vitória de Guimarães, Boavista, Santa Clara e Alverca orientou clubes como União de Lamas, Lusitânia de Lourosa, Sporting de Espinho, Marítimo, Rio Ave e Vitória de Guimarães.

O Olympiacos está também nas meias-finais da Taça da Grécia, recebendo o PAS Giannina, na segunda mão, em 26 de abril, depois do empate 1-1 no primeiro jogo.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros