Desporto

Superliga europeia: "A concretizar-se classificaria como um aborto competitivo"

Joaquim Rita considera que competição foi criada para "disfarçar a incompetência dos dirigentes".

O comentador da SIC, Joaquim Rita, disse esta segunda-feira acreditar que, independentemente do braço-de-ferro entre os 12 clubes anunciados para a Superliga europeia e a UEFA e FIFA, quem vai ditar a realização da competição são os adeptos.

"Os adeptos são a alma do clube, não são estes dirigentes", afirmou.

Numa análise à nova prova anunciada, que considera uma "competição de salto alto", Joaquim Rita declarou que considera que serve para "disfarçar a incompetência dos dirigentes", dando como exemplo o caso da Juventus.

"É uma competição jogada entre palácios", acrescentou.

O comentador da SIC tem esperança que a competição não vá para a frente e considera que a UEFA tem vindo a dar uma resposta positiva, nomeadamente, com a reformulação da Liga dos Campeões, em 2024.

SUPERLIGA EUROPEIA ANUNCIADA POR 12 CLUBES

No sábado, 12 dos principais clubes de Espanha, Inglaterra e Itália anunciaram a criação de uma competição de elite, concorrente da Liga dos Campeões, em oposição à UEFA, às federações nacionais e a vários outros emblemas.

AC Milan, Arsenal, Atlético de Madrid, Chelsea, FC Barcelona, Inter Milão, Juventus, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Real Madrid e Tottenham "uniram-se na qualidade de clubes fundadores" da Superliga, indica o comunicado, acrescentando que a competição vai iniciar-se "o mais brevemente possível".

Os promotores da Superliga adiantam que a prova será disputada por 20 clubes, pois, aos 15 fundadores -- apesar de terem sido anunciados apenas 12 -, juntar-se-ão mais cinco clubes, qualificados anualmente, com base no desempenho da época anterior.

A época arrancará em agosto, com dois grupos de 10 equipas e os jogos, em casa e fora, serão realizados a meio da semana, mas todos os clubes participantes continuarão a disputar as respetivas ligas nacionais.

Os três primeiros classificados de cada grupo e os vencedores de um 'play-off' entre o quarto e o quinto posicionados disputarão os quartos de final, em duas mãos, seguindo-se a fase a eliminar até ao jogo decisivo, em terreno neutro.

O comunicado dos 12 clubes surgiu no mesmo dia em que a UEFA reafirmou que excluirá os clubes que integrem uma eventual Superliga europeia de futebol, e que tomará "todas as medidas necessárias, a nível judicial e desportivo" para inviabilizar a criação de um "projeto cínico".

Na luta contra a pretensão de alguns dos mais poderosos clubes da Europa, a UEFA disse contar com o apoio das federações de Inglaterra, Espanha e Itália, bem como das ligas de futebol destes três países.

A UEFA deve anunciar hoje o novo formato das competições europeias a partir da época 2024, sendo esperado uma alteração no modelo da Liga dos Campeões e um aumento para 36 equipas.

Em janeiro, a FIFA já tinha avisado, num comunicado conjunto com as confederações do futebol mundial, que impediria de participar nas suas competições qualquer clube ou jogador que integrasse uma eventual competição de elite, disputada por convite por alguns dos maiores clubes europeus.