Desporto

Rui Costa anuncia candidatura à presidência do Benfica

MIGUEL A. LOPES / LUSA

Eleições estão marcadas para dia 9 de outubro.

Rui Costa vai candidatar-se à presidência do Benfica nas eleições marcadas para 9 de outubro, anunciou esta terça-feira o ex-futebolista internacional português, que assumiu a liderança do clube lisboeta após a demissão de Luís Filipe Vieira.

"É com o Benfica no coração que estou aqui a anunciar que sou candidato à presidência do Sport Lisboa e Benfica nas eleições marcadas para o dia 9 de outubro. (...) Não é surpresa para ninguém se disser que respiro Benfica desde que nasci", disse Rui Costa, cuja candidatura tem como lema "Por todos. Com todos. Benfica".

Rui Costa, de 49 anos, assumiu a presidência do Benfica em 9 de julho, na sequência da suspensão do mandato por parte de Luís Filipe Vieira, que posteriormente se demitiu, após ter sido constituído arguido no âmbito da investigação 'cartão vermelho', por suspeita de vários crimes económico-financeiros.

Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica desde 2003 e que tinha sido reeleito em outubro de 2020, foi substituído por Rui Costa, que também renunciou ao mandato, no início deste mês (1 de setembro), tal como os restantes órgãos sociais, a fim de permitir a marcação de eleições.

Francisco Benítez, líder do movimento Servir o Benfica, foi o primeiro a anunciar à candidatura à presidência dos 'encarnados', depois de nas eleições anteriores ter desistido para apoiar João Noronha Lopes, derrotado por Luís Filipe Vieira e que já se afastou da corrida eleitoral de 9 de outubro.

No início da próxima semana, a direção do Benfica, a Mesa da Assembleia Geral e o Movimento Servir o Benfica vão reunir-se para discutir regras para as eleições de dia 9 de outubro.

ESPECIAL I LIGA

CALENDÁRIO E CLASSIFICAÇÕES

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia