Desporto

Sporting: Frederico Varandas pede nova assembleia geral para 23 de outubro

A reação ao chumbo das contas e do orçamento do Sporting, que o presidente diz que foi conseguida por uma minoria que quer bloquear a gestão do clube.

As contas do Sporting e o orçamento para esta época foram chumbados na sexta-feira pelos sócios reunidos em Assembleia Geral, com Frederico Varandas a falar numa minoria empenhada em bloquear a gestão do clube, com recurso ao insulto e ameaça.

A votação estavam os dois últimos relatórios e contas, das épocas de 2019/20 e 2020/21, e o orçamento para a época em curso.

Votaram cerca de 750 sócios do Sporting reunidos em Assembleia Geral.

O resultado foi o chumbo dos três pontos por pouco menos de 60% dos votantes.

Ao microfone da Sporting TV, Frederico Varandas considerou a noite passada o momento ideal para pedir uma reflexão aos sócios.

"Sistematicamente, temos um grupo de cerca de 400 pessoas que se apresenta sempre nas assembleias, que tem a sua orientação de voto, quer o Sporting seja campeão nacional, quer o Sporting venha ganha a Liga dos Campeões, estão no seu direito. Estamos a falar de um grupo inferior a 1% dos sócios votantes, e a pergunta que eu faço é se esses 99% dos sócios votantes, se querem continuar a que uma minoria, que se dirige sistematicamente à Assembleia, onde o seu argumento é o insulto, a ameaça, querem que essa minoria continue a bloquear a gestão do clube".

Frederico Varandas ouviu assobios e vaias.

Rogério Alves diz que tudo correu dentro da normalidade e recusou comentar o chumbo das contas.

"Não vou retirar ilações políticas do resultado. Isso será uma ponderação que será feita pelo conselho diretivo", disse o presidente da Mesa de Assembleia Geral leonina.

O único ponto aprovado foi o quarto, que atribuía nomes de antigas lendas do clube às portas de Alvalade.

Veja também: