Desporto

Atleta queniana recordista do mundo encontrada morta em casa

Atleta queniana Agnes Tirop

Alexander Hassenstein

Terá sido esfaqueada pelo marido, que está desaparecido.

A queniana Agnes Tirop, recordista do mundo e medalha de bronze nos 10.000 metros nos Mundiais de 2017 e 2019, foi encontrada morta em casa, alegadamente esfaqueada pelo marido, informou esta quarta-feira a federação de atletismo daquele país africano.

"O Quénia perdeu uma joia", diz a federação, referindo-se à morte de Agnes Tirop, aos 25 anos, que terminou em quarto lugar na prova olímpica dos 5.000 metros de Tóquio2020 e que, há cerca de um mês, bateu o recorde mundial dos 10.000 metros em prova de estrada, exclusivamente feminina (30.01 minutos).

De acordo com as autoridades, o marido da atleta terá desaparecido logo após a sua morte.

Tom Makori, chefe da polícia, diz que quando os investigadores chegaram ao local do crime, em Iten, no Quénia, encontraram Agnes Tirop em cima da cama e ao lado havia uma poça de sangue no chão.

Tirop foi apunhalada na barriga e no pescoço.

"O marido dela ainda está desaparecido e as investigações preliminares dizem-nos que ele é suspeito. Estamos a tentar encontrá-lo para que possa explicar o que aconteceu a Tirop”, afirmou.

A carreira de Agnes Tirop disparou quando a atleta queniana conquistou o título mundial de corta-mato, em 2015, aos 19 anos, tornando-se a segunda campeã mais jovem de todos os tempos.