Economia

Banif diz não ter condições para divulgar contas de 2015 e 2016

O Banif disse esta quinta-feira, em comunicado ao mercado, que ainda não tem condições para divulgar as contas de 2015 e 2016 e não sabe quando o poderá fazer, entre outros fatores, por falta de meios técnicos e humanos.

"O Banif -- Banco Internacional do Funchal ("BANIF") informa que não estão ainda reunidas as condições necessárias para a divulgação ao mercado do relatório de gestão, as contas anuais, a certificação legal de contas e demais documentos de prestação de contas referentes ao exercício de 2016, pese embora o prazo referido no artigo 245.º, n.º 1 do Código dos Valores Mobiliários", lê-se na informação divulgada através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Segundo o Código de Valores Mobiliários, as empresas cotadas têm de divulgar as contas anuais "no prazo de quatro meses a contar da data de encerramento do exercício".

A atual gestão do banco alvo de resolução em dezembro de 2015 diz que não há condições para a divulgação das contas de 2016, até porque estas "têm necessariamente como pressuposto a conclusão dos documentos de prestação de contas referentes ao exercício de 2015", o que também ainda não aconteceu.

O Banif diz que têm sido desenvolvidos "esforços" para apresentar as contas pelo Conselho de Administração, pela Comissão de Fiscalização e pelos auditores do BANIF, mas que há vários fatores que levaram a que ainda não estejam "concluídos os trabalhos de validação da conformidade das contas dos exercícios de 2015 e 2016 com os termos da medida de resolução".

A dificultar o processo está, segundo o Banif, a "complexidade e excecionalidade da medida aplicada", a necessidade de articulação de informação com o Santander Totta e a Oitante - que ficaram com parte dos ativos do Banif -, e a "atual redução dos meios técnicos e humanos necessários para o efeito".

O Banif diz ainda que continua, assim, em "articulação com as entidades acima referidas, tendo em vista a conclusão dos documentos de prestação de contas relativos aos exercícios em apreço", mas que não é ainda possível dizer quando serão divulgados os documentos de prestação de contas relativos a 2015 e 2016.

O Banif foi alvo de resolução em dezembro de 2015 por decisão do Governo e do Banco de Portugal, com a venda da atividade bancária ao Santander Totta por 150 milhões de euros e a criação da sociedade-veículo Oitante, para a qual foram transferidos os ativos que o Totta não comprou.

Continua a existir ainda o Banif, agora 'banco mau', no qual ficaram os acionistas e os obrigacionistas subordinados, que provavelmente nunca receberão o dinheiro investido, e ativos como Banif Brasil e Banco Cabo-verdiano de Negócios.

Após a resolução, o Banif ("banco mau") ficou com Miguel Morais Alçada como presidente, que pediu, segundo a imprensa, no fim de 2016 para não continuar.

O presidente do Banif é agora José Manuel Bracinha Vieira, que foi quadro do Banco de Portugal, a quem caberá preparar a liquidação do banco.

Lusa

  • Lucros do Santander aumentam 17% para 229 milhões
    1:44

    Economia

    Os lucros do Santander Totta subiram 17%, para 229 milhões de euros no primeiro semestre do ano. Na apresentação de resultados do banco, o presidente António Vieira Monteiro disse que o Santander não é responsável pelos lesados do Banif.

  • Lesados do Banif confiaram "num sistema que os aldrabou"
    2:00

    Banif

    O primeiro-ministro garantiu esta quinta-feira estar empenhado na busca de uma solução para os lesados do Banif que, segundo afirmou, foram aldrabados pelo sistema. Numa iniciativa partidária, no Funchal, António Costa foi confrontado com uma manifestação de antigos clientes do banco.