Economia

Maior acionista dos CTT diz que empresa tem de reduzir custos

© Hugo Correia / Reuters

Manuel Champalimaud, o maior acionista dos CTT, diz que a empresa tem de reduzir os custos. Através de um depoimento enviado ao jornal Público, Manuel Champalimaud assume que a concessão é essencial para o futuro da empresa.

Numa referência ao plano de restruturação apresentado esta terça-feira e que implica a redução de 800 postos de trabalho, o empresário defende que os CTT têm de acompanhar a evolução do mercado, reduzindo nas áreas que estão em queda.

O acionista acrescenta ainda que o sacrifício será limitado e que se deve apenas à sustentabilidade da empresa, afirmando ter o maior carinho e respeito pelos colaboradores.

  • Greve nos CTT com adesão de 80% em Lisboa, Porto e Coimbra
    2:11

    Economia

    Os trabalhadores dos CTT iniciaram esta quarta-feira à noite uma greve até à meia noite de sexta-feira, pela melhoria das condições de trabalho e pela manutenção dos empregos, depois de os CTT terem anunciado a redução de 800 postos de trabalho e corte de salários. A greve está a ter uma adesão de cerca de 80% em Lisboa, Porto e Coimbra, como nos explica a jornalista da SIC Tânia Mateus.

  • Sindicatos dizem que serviços vão ser afetados pelos cortes nos CTT
    3:14

    Economia

    A administração dos CTT diz que ninguém vai ser despedido. A empresa fala em rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas de mais de 800 trabalhadores que vão ser dispensados, nos próximos três anos. Os sindicatos temem pelo impacto que o plano de redução de custos vai ter nos serviços, isto numa semana em que chegaram à SIC várias queixas de atrasos na entrega das pensões.

  • Cepas da Serra
    10:16
  • "À descoberta com..." Inês Castel-Branco na Tailândia 
    3:14