Economia

Lucros da Galp caíram 24% no 1º trimestre do ano

Rafael Marchante

Os dados, revelados pela empresa, apontam para uma queda de 24% para 103 M€ no 1.º trimestre de 2019.

A Galp atingiu lucros de 103 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, um resultado 24% abaixo do valor registado no mesmo período do ano passado, segundo os resultados divulgados hoje pela empresa.

De acordo com os dados comunicados hoje à Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM), de acordo com as normas contabilísticas internacionais (IFRS), o resultado líquido do 1º trimestre foi negativo em oito milhões, "o que se explica com um aumento dos eventos não recorrentes negativos de 126 milhões, que se explicam essencialmente pelo impacto da unitização do campo de Lula no Brasil".

"A participação da Galp neste bloco, através da Petrogal Brasil, passou de 10% para 9,2%, com efeitos a partir de 1 de abril de 2019. Em resultado deste processo, a Galp reconheceu um impacto de 98 milhões de euros como evento não recorrente", refere a empresa.

Os dados comunicados à CMVM indicam que o resultado ajustado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda RCA) aumentou 9% em termos homólogos para 494 milhões, dos quais 86% resultaram das atividades internacionais e mais de 75% diretamente da área de Exploração e Produção (E&P).

O Ebitda da área de E&P registou um aumento de 28% face ao trimestre homólogo, para um total de 374 milhões de euros, suportado numa subida de 8% da produção de petróleo e gás natural, que totalizou 113 mil barris de petróleo e gás natural por dia com a entrada em operação e progressivo aumento de produção de duas unidades flutuantes instaladas nos campos de águas ultraprofundas do pré-sal da bacia de Santos, no Brasil, e de uma em Angola, no último ano.

Os resultados operacionais da área de Refinação & Distribuição caíram 42% para 70 milhões de euros, pressionados pela queda das margens de refinação no mercado europeu e por restrições operacionais no aparelho refinador que afetaram as vendas, sobretudo para os mercados de exportação, refere a Galp.

A empresa diz ainda que o aumento de vendas nos hubs europeus "compensou a diminuição das vendas a clientes diretos, o que se refletiu numa melhoria de 40% do Ebitda da área de Gas & Power em termos homólogos, para 47 milhões" de euros.

O 'cash flow' das atividades operacionais (CFFO) nos primeiros três meses do ano foi de 396 milhões, um aumento de 62% em relação ao período homólogo, já considerando o impacto de 44 milhões da aplicação da norma contabilística IFRS 16, e apesar da menor contribuição da atividade de refinação.

O investimento no 1.º trimestre totalizou 149 milhões de euros, em linha com o valor do ano anterior, dos quais 89% foram alocados ao negócio de E&P, principalmente à execução do projeto Lula, no Brasil, do bloco 32 em Angola, que tem uma segunda unidade FPSO a produzir desde o início de abril, e do projeto de GNL em Moçambique.

A 31 de março de 2019, a dívida líquida da Galp situava-se em 1,6 mil milhões de euros.

Lusa.

  • Palestinianos boicotam cimeira organizada pelos EUA no Bahrein
    2:50
  • André Rieu fez um vídeo para os fãs portugueses
    0:38