Economia

Grupo DIA vai receber mais de mil milhões para refinanciar dívida

Juan Medina

17 credores concordaram em refinanciar dívida da retalhista espanhola com 771 milhões de euros numa 1.ª fase, mais 271 milhões adicionais

Sergio Perez

Principal acionista já entrou com 500 milhões de euros

Em comunicado, a retalhista espanhola explica que, com base no acordo que envolve dez bancos e sete 'hedge funds', o montante poderá ser utilizado ao longo dos próximos quatro anos.

A cadeia dona do Minipreço realça ainda que, já conta com 500 milhões de euros que foram injetados pela LetterOne, a principal acionista do grupo.

No mesmo comunicado, a cadeia retalhista que detém também a insígnia Clarel confirma que chegou a acordo com os bancos credores para ter acesso a uma injeção adicional de 271 milhões de euros, que serão utilizados consoante as necessidades de negócio.

Este acordo prevê ainda a possibilidade de aceder a mais 100 milhões de euros através de aumento de capital.

O DIA detalha que o financiamento será estruturado até 600 milhões provenientes dos acionistas, através de um aumento de capital, dos quais 500 milhões serão assegurados pela principal acionista LetterOne. O montante de 200 milhões é obtido através de um empréstimo garantido também pela LetterOne e 71 milhões serão assegurados pelos credores atuais.

Entre os atuais credores estão o Santander, BBVA, Barclays, Caixa Bank, Deutsche Bank, ING, Postbank, SocGen, Mitsubishi, Bankia e BNP Paribas.

Com a obtenção destes financiamentos, a retalhista assume que ganha a força financeira e a estabilidade para uma estrutura de capital que concretize o objetivo de construir, através do crescimento das vendas, resultados financeiros que assegurem o futuro do negócio. "A empresa está agora numa posição forte para iniciar o seu reposicionamento", pode ler-se no mesmo documento divulgado hoje.

Citado no comunicado, o presidente executivo da retalhista, Karl-Heinz Holland, sublinha que, este acordo, reflete o compromisso do acionista de referência para com a DIA. "Agora, temos a capacidade para lidar com os desafios que temos pela frente e construir uma grande marca do setor da distribuição", garante Karl-Heinz Holland.

O gestor refere ainda que a estratégia que definiu agora é de atuar de forma efetiva em benefício dos clientes, colaboradores, franqueados e fornecedores.

Depois de fechado este acordo, o DIA garante ainda que cumprirá com as suas obrigações financeiras relativas aos bónus que vencem em 22 de julho, sendo que agora a prioridade é restabelecer o quotidiano do negócio.

A cadeia retalhista tem presença em Espanha, Portugal, Brasil e Argentina.

  • Vem aí o calor...
    1:01